Gasolina tem maior alta desde outubro passado

 

Jorge Guimarães

Além da energia elétrica que terá bandeira amarela neste mês, o consumidor pode preparar o bolso para mais gastos. A Petrobras anunciou nesta segunda-feira, 29, o terceiro aumento da gasolina em suas refinarias no mês. O anúncio ocorreu menos de uma semana desde a última elevação, no dia 23. O novo acréscimo, de 3,5%, corresponde a R$ 0,07 por litro, e começou a vigorar a ontem. Já contabilizando esta adição nos valores, o acumulado do ano chega à casa dos 35%.

Com o preço nas refinarias a R$ 2,045, esta é a primeira vez desde outubro passado que o valor ultrapassa a casa dos R$ 2. Lembrando que a chegada do aumento ao consumidor final depende da logística que inclui impostos e margens de lucros dos revendedores, visto que o mercado de combustível é livre para praticar o preço final, o que gera uma boa concorrência entre os pontos de vendas e distribuidoras.

Preços

Em pesquisa realizada em 10 postos de combustíveis de Divinópolis, entre os dias 21 e 24 de abril, a Agência Nacional do Petróleo constatou que o custo médio do litro da gasolina era de R$ 4,802. Já o menor preço verificado foi de R$ 4,599, e o mais alto ficou em R$ 4, 999. Em relação ao início do mês, o valor médio da gasolina teve um aumento de 1,65%. O menor custo, por sua vez, ficou estável. Outro acréscimo, de 4,17%, foi registrado no preço mais alto, que começou abril com R$ 4, 799.   

O frentista Alderi de Araújo, diz que só soube do aumento através da imprensa.

— Até o momento, estamos trabalhando com os preços atuais como sempre fizemos. A partir do momento em que o combustível vier com acréscimo, aí sim vamos repassar. Mas, para se ter uma ideia do mercado, hoje mesmo em nossas bombas o etanol teve baixa de R$ 0,10, passando de R$ 3,39, preço comercializado ontem, para R$ 3,29 preço real no dia de hoje — avaliou.

 

Comentários
×