Gás sobe R$ 7,3% e chega perto dos R$ 80 o botijão

 

Pablo Santos

O preço do gás de cozinha em Divinópolis custa, em média, de acordo com Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) R$ 71,06. Em 12 meses, o Gás Liquifeito de Petróleo (GLP) na cidade subiu 7,3%. Em alguns estabelecimentos, o produto é encontrado por quase R$ 80.

Em novembro do ano passado, o botijão de 13 quilos estava cotado nos estabelecimentos de Divinópolis a R$ 66,18, em média, mas com os seguidos reajustes, passou para os atuais R$ 71,06.  É possível comprar no menor valor na cidade a R$ 65 o botijão e, no maior, a R$ 78, de acordo com a pesquisa da ANP.

Na Região Centro-Oeste de Minas o valor do gás mais barato é de Itaúna. De acordo com a pesquisa, o preço médio é de R$ 67.  Oliveira e Campo Belo comercializam a R$ 70, em média. Já em Bom Despacho tem o maior valor da região: R$ 74, apontou a ANP.

Em Minas Gerais, o preço médio é cotado a R$ 70,42. No maior valor o gás é encontrado a R$ 93 em Januária no Norte do Estado. Já o menor valor cotado é em Itajubá no Sul de Minas.

No Brasil, o GLP com o menor preço é encontrado a R$ 48 no Rio Grande do Sul e, no maior, a R$ 120, no Mato Grosso do Sul.

Novembro

A Petrobras anunciou no início e novembro, o aumento do botijão de 13 quilos para R$ 25,07 nas refinarias, preço médio sem tributos. Segundo a petroleira, a alta acumulada em 2018 é de R$ 0,69, ou 2,8%, desde janeiro quando passou a ter reajustes trimestrais.

— De acordo com a metodologia em vigor, a Petrobras havia aplicado, este ano, duas reduções nos preços, em janeiro e abril, e uma elevação, em julho. O novo preço representa um ajuste de 8,5%, ou R$ 1,97 em relação aos R$ 23,10 vigentes desde julho — explicou, em nota, a Petrobras.

Ainda de acordo com petroleira, a desvalorização do real frente ao dólar e as elevações nas cotações internacionais do GLP foram os principais fatores para a alta.

— A referência continua a ser a média dos preços do propano e butano comercializados no mercado europeu, acrescida da margem de 5% — finalizou a nota.

 

 

 

 

Comentários
×