Gás de cozinha sofre reajuste

 

Jorge Guimarães

O consumidor será obrigado a arcar com mais uma despesa no início do ano. Depois do IPVA, material escolar e IPTU e outros, agora é a vez de um item indispensável na cozinha. A Petrobras anunciou nesta segunda-feira, 4, mais reajuste no preço, nas refinarias, do botijão de gás de 13 litros .

O aumento de 1,0 % começou a valer ontem. Desta forma, o botijão passou a ser comercializado a R$ 25,33 para as distribuidoras. A desvalorização do real frente ao dólar foi o principal fator para o reajuste, segundo a Petrobras.  

Preços

Em Divinópolis, pesquisa realizada em 17 pontos de vendas, pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), no período compreendido entre os dias 27 de janeiro e 2 de fevereiro, mostrou que o preço médio ficou em R$ 70,29. O menor encontrado foi de R$ 60 e o mais caro era comercializado a R$ 75.

Na região Centro-Oeste, segundo levantamento da ANP realizado no mesmo período, a cidade de Bom Despacho ficou com os preços mais altos. O preço médio registrado      foi de R$ 74,60, sendo o mínimo, R$ 64 e o máximo, R$ 79,90.

Mercado

O botijão de gás liquefeito de Petróleo (GLP) tem reajustes trimestrais. O último foi em novembro passado, sendo o preço fixado em R$ 25,07. Segundo o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), sendo o reajuste para as refinarias, o aumento do preço para o consumidor vai depender do local em que ele realiza a compra. Lembrando que o mercado é de livre concorrência, valendo, assim, as estratégias das distribuidoras e de cada ponto de venda. A reportagem entrou em contato com algumas distribuidoras. As empresas informaram que estão esperando um pronunciamento de cada distribuidora para adotar sua estratégia de venda.

Comentários
×