Galileu já admite escalonamento de salário de professores municipais

Pollyanna Martins

O salário dos professores da rede municipal está comprometido. Durante o encontro de prefeitos, realizado na manhã de ontem, na Associação dos Municípios do Vale do Itapecerica (Amvi), para discutir a dívida que o Governo do Estado tem com os municípios, o prefeito de Divinópolis, Galileu Machado (MDB), admitiu que os salários dos professores municipais começarão a ser escalonados.

De acordo com Galileu, o Estado deve à prefeitura R$ 6 milhões referente ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O prefeito destacou que os municípios têm de retirar recursos do caixa único das prefeituras para cobrir as despesas que deveriam ser pagas com recursos do Fundeb e, depois, não podem voltar com o dinheiro recebido para o caixa geral. Em entrevista ao G1, Galileu admitiu o escalonamento.

— Isso pode acarretar problemas não só financeiros, mas legais no final do ano. O governo nos deve no Fundeb R$ 6 milhões. O que vai acontecer é que o salário dos professores e o transporte escolar vão ficar prejudicados. Vou ter que tomar a providência de escalonar o pagamento e o que for necessário para que a gente cubra essa irresponsabilidade do governador da maneira que for possível — revela.

O encontro contou com a presença de representantes de 20 cidades da região, entre eles, o presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda, prefeito de Moema. O presidente da Amvi, prefeito de Carmo da Mata, Almir Resende, reforçou que algumas medidas judiciais foram tomadas por meio da Associação Mineira de Municípios para que o Governo de Minas tome uma posição.

— Tivemos um retorno pequeno disso. Temos de fazer mais, lidar com outros meios na Justiça, porque a situação pode virar um caos a partir de agosto, porque nenhum município tem condição de continuar suprindo as obrigações do Estado — enfatiza.

Ao Portal Centro-Oeste, Almir revelou a sua preocupação quanto ao pagamento do 13º salário dos funcionários públicos das prefeituras da região.

—Agora nós estamos com medo da nossa situação, como prefeitos do Estado de Minas, de não conseguirmos cumprir com a folha de pagamento dos funcionários – lamenta.

No dia 3 de julho, a Prefeitura informou em nota que a dívida total do Estado com o Município era de R$ 72 milhões.

Prefeitura

O Agora questionou a Prefeitura como seria feito o escalonamento, quando começaria e se o 13º salário dos servidores municipais estava comprometido por causa da dívida que o Estado tem com o Município, mas, até o fechamento da matéria, as 18h40, o Poder Executivo não havia se posicionado sobre o assunto.

Comentários
×