Futebol e mulher, tudo de bom!

José Carlos de Oliveira

A cada dia que passa, as mulheres têm ocupando mais espaço no cenário mundial, e no esporte não poderia ser diferente. E falar que futebol não é coisa de mulher é não valorizar aquilo que é bom. Futebol e mulher é, sim, tudo de bom e perdem aqueles que não assistem aos jogos do campeonato brasileiro feminino.

Futebol arte

Com o futebol masculino cada vez mais preso à tática e à forma física dos jogadores, as mulheres conseguem trazer de volta aos campos o futebol arte e a magia dos dribles, que sempre foram a especialidade dos brasileiros que mais encantava aos torcedores pelo mundo afora. O que acabou se perdendo no tempo e no espaço quando passamos a copiar a tática e a truculência dos europeus.

Grande erro dos nossos treinadores, que sepultaram com suas ideias “ultrapassadas” a magia do nosso futebol. A esperança é que agora, com as nossas mulheres mostrando em campo novamente um pouco do futebol arte, descubramos como ainda é bom fazer do jogo uma “gostosa brincadeira” e, enfim, o futebol volte a ser realmente a maior paixão dos brasileiros.

Na ‘marra’

Hoje, por força de imposição da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e da Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol), os grandes clubes de futebol do Brasil se viram obrigados a abrir espaço para as mulheres, e os campeonatos femininos vêm se consolidando e abrindo espaço para que as mulheres possam sonhar em jogar profissionalmente futebol, e melhor ainda, recebendo um bom salário para fazer aquilo que gostam.

Dia delas

Na passagem do Dia Internacional da Mulher, comemorado no domingo, 8, que todos nós tiremos o chapéu para nossas jogadoras, que ainda fazem do futebol um gostoso jogo de bola, sem se prender a esquemas táticos e aspecto físico.

E viva as mulheres do futebol brasileiro.

Brasileiras perto da classificação

Pelo Campeonato Sul-Americano de Futebol Feminino Sub-20, que está sendo disputado na Argentina, a seleção brasileira – que tem duas jogadoras do Cruzeiro (Duda e Micaelly) no elenco –, faz grande campanha e lidera o seu grupo, o B, com seis pontos ganhos em duas partidas. O Brasil está de folga na terceira rodada e volta a campo na quinta-feira, 12, para enfrentar o Uruguai, às 21h15, horário de Brasília.

No jogo do último sábado, 7, a meia-atacante Micaelly, da Raposa, foi o nome do time, marcando dois dos três gols da vitória brasileira sobre a seleção do Paraguai, por 3 a 0. O outro gol foi marcado por Jheniffer.

‘Takileiras’ – futebol feminino

E, para celebrar a data das mulheres, a boa nova para as garotas que gostam de jogar futebol em Divinópolis é que por aqui também tem como elas baterem uma bolinha: é só fazerem parte da equipe das Takileiras – Panteras Futebol Clube, time feminino de futebol que treina todas as semanas, às segundas e quartas-feiras, na quadra da Escola Estadual São Vicente, no bairro Niterói, das 19 às 22h. 

Fundado há menos de um ano, o time das Takileiras já conta com 20 jogadoras em seu elenco, que não têm medo de correr atrás de seus sonhos e fazem do futebol uma brincadeira séria. Fazem parte do grupo as atletas Tahayne, Rayssa, Tainá, Natacha, Larissa, Paloma, Ana Júlia, Kessia, Kaiane, Franciele, Ana, Taís Alessandra, Lovane, Letícia, Lorrane, Suelen, Cris, Débora, Carol e Taty (Novinha).

Comentários
×