Fórum apresenta propostas para o estímulo à leitura

A plenária final do Fórum Técnico Semeando Letras – Plano Estadual do Livro, Literatura, Leitura e Bibliotecas, promovido pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), aprovou ontem, as propostas apresentadas nos grupos de trabalho e na consulta pública promovida pelo evento. 

Das 41 propostas apreciadas na plenária final, foi destaque nos debates o item que trata do diagnóstico e adequação da estrutura de bibliotecas do sistema prisional e dos centros socioeducativos. Segundo um dos coordenadores dos grupos de trabalho, Lucas Ribeiro, a intenção da proposta é promover a inclusão da população carcerária. 

O mesmo coordenador destacou ainda as propostas de implantação de bibliotecas em 100% nos municípios mineiros. Para isso, devem ser viabilizados novos espaços comunitários, assim como a criação de núcleos de referência, no sistema estadual de bibliotecas públicas, para o desenvolvimento de ações de assistência técnica, capacitação e empréstimo de exposições literárias. 

 Capacitação de gestores   

Um dos grupos de trabalho, coordenado por Cleide Fernandes, destacou o item que trata da capacitação de gestores públicos e cidadãos para elaboração de planos municipais de livro, leitura, literatura e bibliotecas. De acordo com ela, o principal foco da proposta é direcionar as ações para as escolas públicas. 

Outras propostas que mereceram destaque, segundo a coordenadora, foram a criação de uma comissão mista de acompanhamento do plano estadual e a realização e divulgação de pesquisas sobre livros, leitura, literatura e bibliotecas. 

Plano Estadual   

 Por fim, foram eleitos para o comitê de representação do fórum técnico 24 representantes da sociedade civil e outros oito das Secretarias de Estado de Cultura e de Educação. Eles vão analisar as propostas do documento final do evento e acompanhar a tramitação do projeto de lei com o Plano Estadual do Livro, que deve ser encaminhado pelo Poder Executivo à ALMG no próximo ano.  

Discussão no interior  

O presidente da Comissão de Cultura, deputado Bosco (Avante), que foi o coordenador-geral da plenária final, lamentou o cenário de acesso ao livro no Estado. Segundo ele, há uma discrepância entre cidades e regiões, no que se refere ao incentivo à leitura. O parlamentar explicou que, enquanto municípios contam com espaços importantes, outros sequer contam com bibliotecas ou, quando as têm, oferecem uma estrutura muito aquém do ideal. 

— A interiorização do fórum nos permitiu conhecer a realidade do acesso ao livro em Minas Gerais e, agora, propor medidas e programas de governo que incentivem a leitura, em especial nas escolas públicas — disse.  

A etapa final na ALMG foi precedida de sete encontros regionais e de uma consulta pública que recebeu 138 contribuições pela internet. Ela teve início na última quarta-feira e terminou ontem. 

 

 

Comentários
×