Forte calor demanda cuidados com a pele

Da Redação

O melhor amigo do divinopolitanos neste mês não tem sido o cão, mas sim o ventilador ou o ar-condicionado. Ontem, por exemplo, os termômetros chegaram a marcar 33°C. A estação mais quente do ano pode ser boa para quem aproveitou ou ainda aproveita para dar um mergulho, mas é preciso cuidado, principalmente ao se expor ao sol durante um longo período.

Dualidade

O verão é como uma moeda. Enquanto por um lado a luz solar libera vitamina D, importante para saúde, por outro pode causar doenças, como câncer e insolação. Seja na praia ou durante uma caminhada, é importante se proteger e cuidar da pele.

A médica dermatologista da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Maria de Lourdes Ribeiro de Carvalho Leito, explica sobre as medidas a serem adotadas pela população.

— É recomendável que todas as pessoas, sejam elas crianças, adultos ou idosos, utilizem medidas fotoprotetoras, como filtro solar e acessórios como óculos, chapéus e roupas com proteção UV. Também é importante evitar locais abertos entre às 10h e 16h, pois nestes horários a exposição solar é mais intensa — afirmou a médica.

Ainda segundo Maria de Lourdes, o uso do protetor solar deve ser frequente, mesmo em dias sem sol escaldante.

— A reaplicação do filtro solar deve se dar a cada duas ou três horas ou após longos períodos de imersão na água. Além disso, é importante lembrar que ele deve ser usado todos os dias, mesmo quando houver nuvens ou o céu estiver nublado, pois a radiação ultravioleta atravessa as nuvens — informou.

Riscos

As altas temperaturas, rotina em Divinópolis nos últimos meses, é motivo para chamar a atenção da população a respeito dos cuidados com a pele. A SES-MG alerta para os principais problemas de saúde ocasionados pela exposição prolongada ao sol.

— A exposição excessiva ao sol é um problema sério que pode causar vários danos ao organismo, como desidratação, vermelhidão na pele e até queimaduras. Dependendo da extensão e/ou gravidade dessas queimaduras pode ocorrer dor de cabeça, tonturas, náuseas, febre, calafrios, taquicardia, delírio, prostração e até mesmo choque — explicou a Secretaria.

Segundo o órgão, o sol é o fator ambiental mais importante para o câncer de pele, porém, quando diagnosticado em estágios iniciais, as chances de cura são cerca de 90%.

Um cuidado especial deve ser tomado com idosos e crianças, faixas-etárias mais sensíveis ao calor e “os quadros de desidratação são mais frequentes e graves”, segundo a médica.

Dicas

O protetor não deve ser usado apenas temporariamente, durante uma ida a praia ou em uma caminhada. O cuidado deve ser constante e deve ser iniciado desde criança.

— O filtro solar deve ser utilizado a partir dos seis meses de idade, utilizando um protetor adequado para a pele que é mais sensível. É preciso que crianças e jovens criem o hábito de usar a proteção solar diariamente – destacou a dermatologista Maria de Lourdes.

Para saber melhor qual produto e o fator de proteção a ser utilizado, recomenda-se a consulta com um pediatra, em casos de criança, ou um dermatologista.

O protetor não é a única recomendação. Usar acessórios também ajuda a proteger a pele, como chapéus de abas largas, óculos de sol com proteção UV (ultravioleta) e se manter hidratado são dicas simples, mas fundamentais na prevenção. Para quem vai a praia ou ficar perto de piscinas, se expondo ao sol, a Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda barracas feitas de algodão e lona. Isso porque as barracas de nylon deixam 95% dos raios UV passarem, enquanto os dois materiais anteriores absorver 50% da radiação.

Hidratação

A SES recomenda que os adultos bebam cerca de oito copos por dia, variando de acordo com o tempo exposto ao sol e a prática de exercícios físicos. Já para as crianças é que, dos seis aos doze meses de vida, beba-se 800 ml a 1 litro de água por dia. De um a três anos, o número sobre pra 1,3 litro; dos quatro aos oito anos, deve-se ingerir 1,7 litro.

Comentários
×