Foi bem

O vereador Matheus Costa (CDN) foi feliz em seu discurso ontem na Tribuna Livre da Câmara. Eu vou mais longe. Foi um dos melhores desde que assumiu seu mandato por dois motivos. O primeiro, porque não houve xingamento, grito e euforia desnecessária. Foi direto ao ponto. Apontou o problema, cobrou como deve fazer o legislador e, principalmente, sugeriu ações. O segundo, quando comparou a renda de famílias “miseráveis” aos gastos exorbitantes do Poder Legislativo nas três esferas da nação. E falou tudo. Uma desigualdade inaceitável, enraizada no Brasil e que, dificilmente, será diferente, mesmo em um futuro distante. Isso porque a cada dia, o rico fica mais rico e pobre mais pobre!

Foram mal

Ao relatar os números mostrados pelo Agora com exclusividade na semana passada sobre a pobreza cada dia maior em Divinópolis e, que o próprio divinopolitano não se dá conta, o vereador falou da importância da união de forças em busca de alento para estas pessoas. Adivinha se tinha algum colega prestando atenção? Para variar, né! Quando a Câmera abriu a imagem, apareceram apenas o primeiro secretário da Mesa Diretora, Renato Ferreira (PSDB), e o vereador Ademir Silva (PSD). Lamentável situação que se repete a cada reunião. Em determinado momento, tiveram que ser convocados para a segunda parte dos trabalhos. Se o próprio colega não valoriza, imagine quem está de fora. É espelho, como os pais para os filhos. Sabe-se que a demanda para o vereador é gigantesca, mas será que todos os problemas e chamados de gabinetes têm que ser resolvidos em dias de reunião? A não ser que o vereador só comparece nestes dias, o que seria incabível.

O presidente mudou de partido...

...mas não oficialmente. Apesar do anúncio, na prática, a legenda ainda não existe. Para que a mudança se efetive, são necessários alguns passos – e não tão simples. Com o sucesso do presidente Jair Bolsonaro (ainda PSL), o Partido Social Liberal explodiu e conseguiu eleger a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados. Mas o partido deve perder força, pois quase metade dos 53 deputados deve acompanhar o presidente na transição para o “Aliança Pelo Brasil”. Para formar sua nova casa, ainda é preciso fazer registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) e coletar cerca de 490 mil assinaturas, processo que demanda tempo e deve ser concluído apenas no ano que vem. Caso a mudança se concretize, Bolsonaro entra para seu nono partido (PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP, PSC e PSL) em 20 anos de política. Sua estadia mais longa foi no PP, no qual ficou de 2005 a 2016. Realmente impressionante. O que não chega ser surpresa, se olhada a sua personalidade.

Esperado

Não apenas antes da Proclamação da República, mas de qualquer feriado, a política começa a desacelerar. Como esperado, os vereadores não votaram nenhum projeto de lei na reunião de ontem. O que causou indignação de alguns vereadores, como Janete Aparecida (PSD). Isso mesmo diante da difícil situação financeira da cidade. Mas uma verdade precisa de dita: os problemas de Divinópolis (ao menos a maioria deles) não serão solucionados por meio de mais leis. Quantas normas existem na cidade e são desrespeitadas sem qualquer punição? Lei sem fiscalização é o mesmo que carro sem roda.

Dezembro em ‘cheque’

A Secretaria de Fazenda (Semfaz) anunciou na quarta-feira, 13, que 95% do salário dos servidores já foram quitados. A data para os pagamentos dos 5% restantes (funcionários com vencimentos acima de R$ 5 mil) deve ser anunciada nos próximos dias. A Prefeitura ainda espera o recebimento de mais repasses para fechar a folha. Com isso, fica a dúvida: será que o Executivo conseguirá pagar a remuneração dos servidores mais o 13° salário em dia? Isso, como diria o coronel Faria, só quem viver, verá!

Colaborou Matheus Augusto

Comentários
×