Fim

João Carlos Ramos

O fim do mundo "corria à boca pequena", desde a idade média, quando a Igreja Católica pregava erroneamente sobre Apocalipse 20:7 (“E, acabando os mil anos Satanás será solto de sua prisão…”) 

A interpretação era a que se segue: Satanás, o arqui-inimigo de Deus será solto de sua prisão e se precipitará sobre a humanidade, causando todas as catástrofes profetizadas no sagrado livro. O resultado se constituiu de uma onda avassaladora de fanatismo e extrema exploração por parte do clero. 

São indescritíveis as cenas grotescas do abuso clerical. Dinheiro, terras e até filhas eram entregues aos líderes religiosos para aplacar a suposta ira divina. A exata interpretação da profecia é esta:

haverá a segunda vinda de Jesus Cristo para que ocorra a primeira ressurreição e a transformação dos corpos e a seguir, acontecerá o arrebatamento (I Tessalonicenses 4:13-18).

A profecia ainda não se cumpriu, pois os cristãos atuais ainda aguardam a segunda vinda de Jesus Cristo. Por causa disso é que os leigos criaram o vaticínio: "Mil passará, mas dois mil não chegará", se referindo também erroneamente à referência citada. 

O espírito folclórico se adapta facilmente a crenças distorcidas, tanto da Bíblia quanto de outras questões.

Contudo é fato:  estamos no FIM! O fim é precedido pelo "princípio das dores", profetizadas por Jesus, durante sua caminhada terrestre. Os judeus se uniram politicamente aos romanos para crucificarem o grande Mestre que, indubitavelmente, era "uma pedra no sapato" dos escribas e fariseus, porquanto seus ensinamentos eram divergentes.

Através do "fogo amigo" saído da boca de Judas Iscariotes, foi consumada a horrível trama. A pandemia da covid-19 é apenas um refresco, comparada ao que virá, segundo as profecias, porém também fazem parte do bloco do princípio das dores. A humanidade se afastou completamente dos princípios bíblicos e podemos constatar uma completa devassidão em meio ao caos. Roubam tudo. A começar pela infância das crianças, sendo forçadas a irem para as escolas em idade precoce, deixando os pais livres com a prisão dos filhos...

Comercializam-se drogas, dentro e fora das escolas, segundo os noticiários. A corrupção se tornou fato corriqueiro, principalmente em nosso país, celeiro de tudo e não apenas de alimentos. A pedofilia corre como esgoto a céu aberto em todas as comunidades, principalmente na cognominada alta sociedade. Segundo relatos, a prostituição de filhas alugadas pelos pais é comum em alguns estados. Alguns pastores e padres, esquecendo o mandamento "é dando que se recebe", criaram outro: "É recebendo que recebemos mais".

Os tais não representam suas comunidades de fiéis. Não podemos nos esquecer do show de maldade que a imprensa nos proporcionou, relatando os atos do trio maldito, composto por Flordelis, Robson e João de Deus. Satanás  se incorporou em líderes religiosos de segmentos diferentes para demonstrar que não era apenas rei do inferno, mas também dos homens. Alguns tentam apagar o fogo do inferno, jogando mais álcool, ignorantemente. 

Tais líderes representam o que é de mais vil no seio religioso. É mister que gritemos a plenos pulmões que eles não nos representam e os condenamos desde as raízes. Políticos que roubam de um lado e religiosos que roubam de outro. Quem há de suportar? Podemos constatar que, apressando ainda mais o fim, os filhos demonstram uma ingratidão indescritível em relação aos pais e continuam com as disputas pelas heranças após a morte deles. Há relatos de pais assassinados pelos filhos com a vil finalidade de apossamentos patrimoniais.

 

Tudo isso e muito mais que até Satã duvida acontece debaixo do sol todo dia, toda hora.

jocarramos@gmail.com

Comentários
×