Feminismo e democracia

Michelle de Castro Costa

Não cabe mais dizer que tem mais de um século que as mulheres lutam pela igualdade de direitos, porque isso nos remete a tempos ancestrais, em que ela soltava a voz.

E ainda vemos a distorção do termo “feminismo” como sendo oposição ao machismo, cujo efeito imediato é reduzir a força da luta das mulheres.

No cotidiano feminino estão presentes a herança das eras patriarcais e seu efeito limitante aos homens na atualidade. Isto fica visível na reação que o feminismo provoca nas lutas contra o disparate das desigualdades no âmbito do trabalho e na luta por mais participação nas estruturas de poder e na política.

Outro ponto ainda que se discute é que o feminismo não tem preferência política, como pensam, não sendo tendência a privilegiar uma força política,  busca o desenvolvimento da ideia do antipatriarcado e da democracia – inserida não só a luta pela igualdade de direitos e possibilidades, mas a humanização dos setores.

Historicamente estamos na quarta onda do feminismo e o avanço nas últimas décadas, marcado por movimentos globais e a era digital, vincula o “empoderamento” feminino a uma aversão crescente pela palavra.

Na medida em que o movimento cresce com nova roupagem, o que se vê é a estigmatização da palavra, usada com mais intensidade desde o fim do século 19 com o crescimento do movimento sufragista que defendia os direitos políticos das mulheres, com a intenção de constranger quem se identifica como feminista.

Como a palavra representa a ideologia do antipatriarcado e a inclusão das mulheres, nisto consiste a busca pela igualdade e equidade. É democracia.

Não se despreza os avanços obtidos neste último século, porque hoje votamos, somos eleitas, trabalhamos, estamos nas universidades – por outro lado ainda sobrecarregadas na vida familiar, limitada às inserções no âmbito laboral e outros aspectos. Sentimos todos os dias o preconceito da luta do feminismo pelo reconhecimento da mulher como sujeito. 

Falta a igualdade no mais amplo significado, por isso o feminismo existe e vai crescer.

Anne Michelle de Castro Costa - Advogada e presidente da Comissão da Mulher Advogada da 48ª Subseção da OAB-MG.

E-mail: anneadvog@gmail.com

 

Comentários
×