Faturamento registra queda e emprego sobe

 

 

Pablo Santos

O faturamento e a massa salarial das empresas do Centro-Oeste caíram em 2018, de acordo com a pesquisa indicadores econômicos, da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg). Emprego e horas trabalhadas fecharam com leve alta no ano passado na região. Já em Minas Gerais, as vendas cresceram quando se compara com a região.   

Em 2018, o faturamento real caiu 0,6%, registrando um desempenho pior que nos dois anos anteriores, quando houve crescimentos de 3,8% (2017) e 0,8% (2016).

Em outra base de comparação, o faturamento manteve-se em queda com maior intensidade. De acordo com a Fiemg, em dezembro deste ano, na comparação com 2017, as vendas declinaram 8,6%.

A massa salarial recuou 4,8%, queda mais intensa que a observada em 2017, de 1,7%. Em dezembro de 2018, contra o mesmo período do exercício anterior, o declínio foi de 3,5%, apontou a Fiemg.

As horas trabalhadas na produção e o emprego cresceram pelo segundo ano seguido: 0,4% e 0,3%, respectivamente. Contudo, os avanços foram em menor intensidade que no ano anterior.

Minas

A pesquisa Indicadores Industriais de dezembro confirmou também a dificuldade de recuperação da indústria de Minas Gerais em 2018, influenciada pela greve dos caminhoneiros e pelas incertezas relacionadas ao cenário eleitoral. No ano, apenas o faturamento real acumulou resultado positivo, com avanço de 3,8%, o maior desde 2010. As horas trabalhadas na produção e o emprego mantiveram o desempenho negativo observado desde 2013. Contudo, o índice de emprego teve queda menos intensa que nos anos anteriores, o que não ocorreu com o indicador de horas trabalhadas na produção. A massa salarial real e o rendimento médio real não sustentaram o resultado positivo de 2017 e também encerraram o ano em queda.

 

Comentários
×