Faturamento aumenta e emprego cai em fevereiro

 

Pablo Santos

A indústria regional registrou expansão do faturamento e horas trabalhadas devido às vendas para o mercado e interno e externo. Em contrapartida, o emprego e a massa salarial seguem em declínio. A conclusão é da pesquisa de indicadores econômicos da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).

Em fevereiro, o faturamento real das indústrias regionais expandiu 5,6%, marcando o segundo aumento consecutivo. As vendas das indústrias cresceram consideravelmente no primeiro bimestre. De acordo com a Fiemg, a alta na indústria regional foi de 18% nos primeiros dois meses de 2019.

— O faturamento real cresceu 18,0% no primeiro bimestre, em razão do aumento das vendas nos mercados interno e externo em razão do aumento das vendas nos mercados interno e externo. O resultado foi o melhor para o período desde o início da série histórica, em 2011 — destacou o estudo da Fiemg.

Em fevereiro deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento também foi 18%.

As horas trabalhadas na produção cresceram 6,7%, após três meses de recuos, de acordo com a Fiemg. No entanto, no bimestre, o declínio é de 9,9%, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Confrontando fevereiro deste ano e do exercício anterior, o indicador aponta nova queda da indústria regional.

Queda

Se o faturamento e as horas trabalhadas estão em alta, o emprego e a massa salarial seguem em declínio.

O emprego apresentou queda de 0,8% em fevereiro, completando o terceiro declínio seguido. No acumulado do ano, o emprego retrocedeu 10,3% nas empresas do Centro-Oeste. Em fevereiro, contra o mesmo período de 2018, outra queda drástica: 11%.

A massa salarial real caiu 11,2%, e ainda não registrou avanços em 2019. No acumulado do ano, os dados apontam: 10,5%. O declínio maior foi de fevereiro do ano passado para fevereiro de 2019, chegando a 13%.

 

Comentários
×