Família recorre à Promotoria para salvar idoso ‘internado’ na UPA

Rafael Camargos

A angústia e a dor são sentimentos compartilhados por vários pacientes internados na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto, em Divinópolis. Cenário que pode ser visto há cerca de dois anos e que parece não ter data para um fim. Situação que vem sendo vivenciada pelo senhor Adelino Domingos Vieira, 89 anos, que precisa realizar uma cirurgia e está há 26 dias esperando uma vaga no Hospital São João de Deus (HSJD).

— Meu avô está internado há quase um mês. De todos os pacientes que passaram por lá neste período, ele é o único que ainda espera desesperadamente por uma vaga. Já fomos atrás de vereadores, vice-prefeito e ninguém resolve nada — disse angustiada Cilene Vieira, 28 anos, neta de Adelino.

Segundo ela, ele precisa realizar uma cirurgia de raspagem de próstata, um procedimento pequeno, mas que devido à situação, está agravando a saúde do avô.

— Ele está com 89 anos, já tem alguns problemas de saúde, como: enfisema pulmonar, e agora está usando um cateter para urinar e uma bolsa. A situação pode comprometer ainda a bexiga, causando uma infecção renal. Se ele ficar com essa bolsa muito tempo os rins podem parar. Além disso, seu estado emocional está causando a alta da pressão arterial — desabafou

Acompanhando de perto o dia a dia dos médicos e funcionários da UPA, ela diz que eles lutam diariamente para conseguir fazer um trabalho digno.

— Recurso eles não tem — pontuou Cilene. 

A neta conta também que os profissionais fazem o que podem.

 — A gente vê que é coisa dos governos que não fazem as suas partes — pontuou.  

Sem nenhuma resposta das autoridades, Cilene teve de recorrer ao Ministério Público e aguarda resposta do órgão.

— Nós fomos atrás do Ministério Público, estamos esperando a resposta para ver se consegue alguma coisa— revelou.

Quadro

Segundo a unidade, o quadro de saúde do senhor Adelino é estável e confirma que ele aguardando a transferência. Diz que todos os exames laboratoriais estão sendo realizados.

Caos 

De acordo com um dos médicos que trabalha na unidade, mas pediu para não ser identificado, os materiais e medicações estão em dia, porém a unidade luta diariamente para conseguir se manter, trabalho que se torna mais difícil,  uma vez que os médicos estão sem receber desde o dia 13 de agosto.  Questionado pela reportagem sobre o pagamento dos salários atrasados, ele conta que não há ainda nenhuma resposta concreta.

— Está complicado. Eminência de paralisação, mas estamos tentando contornar a situação — falou.

A reportagem tentou também contato com o diretor executivo e representante da Santa Casa de Formiga, José Orlando, atual responsável pela UPA juntamente com a Prefeitura de Divinópolis, mas as ligações não foram atendidas.

A Prefeitura informou que a responsabilidade pela administração é da Santa Casa, mas informa que precisa passar R$ 800 mil à unidade.  

 

Comentários
×