Faltou planejamento

Se tem uma palavra que ninguém pode desprezar e nem questionar principalmente no meio do futebol, é “planejamento”, e aqueles que fazem pouco caso dela pagam bem caro por isso. Quando acordam e tentam corrigir seus erros, “a vaca já foi para o brejo” e não tem mais retorno. 

E é isso o que ocorre agora com o Guarani, que chega à última rodada da fase de classificação do Campeonato Mineiro, em seu Módulo II, correndo riscos de ser rebaixado para a Segunda Divisão ‒ a terceira, na verdade ‒, o que seria desastroso para a história do Bugre e para a nova diretoria, que assumiu o clube sonhando alto e agora vive um pesadelo sem fim.

Sem chororô

E nem adianta o presidente Araújo e seus parceiros de diretoria chiarem por causa das críticas que vêm recebendo. Alguns podem até estar exagerando no tom, mas no geral elas são mais do que merecidas e eles ‒ os dirigentes ‒ têm mais é que baixar a cabeça, reconhecer que erraram feio e usar esta semana de trabalhos para consertar o que puder e ir em busca de um milagre no fim de semana. 

Pois, do contrário, estarão com um tremendo de um abacaxi nas mãos, que será difícil de ser descascado. Se com o Guarani no Módulo II, a vida já está um horror, sendo mais uma vez rebaixado é que o caldo vai entornar de vez.

Golpe será duro

E, para ser franco, nem sei se o Guarani, como clube, resiste a mais este baque. Pode ser o começo do fim ou o reinício de algo bem maior para o Bugre, mas tudo dependerá do que eles ‒ os dirigentes atuais ‒ estão dispostos a fazer pelo clube, pois a única coisa que podem ter certeza é que a ajuda será bem pouca, mas as cobranças serão enormes.

Assim é o torcedor, e não adianta ninguém reclamar. Tem mais é que aceitar e fazer de tudo para trazê-los – os torcedores, a imprensa e os empresários da cidade e da região ‒ para o seu lado. Conseguindo essa proeza, pode até ser que dê para fazer do limão uma limonada.

Rodada até que foi boa

Se em campo o Guarani não consegue fazer nem mesmo o dever de casa, os deuses da bola vão tratando de dar um jeitinho, uma sobrevida ao clube e um alento ao torcedor, e pode até ser que no fim de semana haja algum motivo para festejar, mesmo que o Bugre faça campanha desastrosa no retorno e dê mais um vexame em Ipatinga. 

Em campo, o Guarani foi mais uma vez goleado jogando em casa no sábado, mas os resultados da rodada contribuíram, e agora o time pode se salvar até mesmo com mais uma derrota no estadual, desde, é claro, que Mamoré e Serranense não vençam seus compromissos do fim de semana. Se um deles (apenas um) vencer, o Bugre será obrigado a trazer os três pontos do Ipatingão, coisa que a equipe até aqui não mostrou ter condições.

Gol salvador

E o gol do Democrata Jacaré, aos 51 minutos do segundo tempo, fez a alegria dos torcedores divinopolitanos na manhã de domingo, mantendo viva a esperança da torcida alvirrubra. Ali, em Patos de Minas, a vaca já estava indo para o brejo de vez, mas nos minutos derradeiros os deuses da bola resolveram dar uma mãozinha. Então que o Guarani trate agora de cumprir a parte que lhe compete, fazendo jus ao presente que recebeu, mesmo sem ter feito por merecer.

Eu acredito

A hora agora é de todos unir em torno do Bugre e tentar, na medida do possível, contribuir para que o time tenha uma semana de trabalhos produtiva no Farião e vá para a última rodada com um novo espírito de luta, disposto a provar em campo que todos ali merecem, sim, envergar a gloriosa camisa alvirrubra.

Como sou otimista ao extremo, faço minhas as palavras do mantra do Atlético Mineiro – “Eu acredito” – para mais uma vez clamar aos deuses que nunca abandonem o nosso time do coração e que no sábado possamos, pelo menos, festejar a permanência no Módulo II.

E vamos que vamos, Guarani, a caminho da vitória.

Bugre hoje e sempre!!!

Comentários
×