Faltam médicos, sobram doadores no Hemominas

 

Maria Tereza Oliveira

Há tempos, a questão da doação de sangue tem sido debatida na sociedade. São inúmeras campanhas que conscientizam as pessoas para a importância da doação. Entretanto, Divinópolis vive uma história que vai na contramão do que é esperado. Enquanto os Centros de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais (Hemominas) precisam se esforçar para que a população doe sangue, na cidade, as pessoas querem doar, mas esbarram na falta de médicos no Hemominas local.

Conforme informou a assessoria do Hemonúcleo, desde novembro do ano passado, houve uma redução no horário de coleta de sangue dos doadores. O horário atual para fazer doação é de 7h às 10h. Anteriormente este horário era de 7h às 11h.

Isso porque, de acordo com o centro, o quadro de médicos está defasado.

Doe

Inúmeras pessoas dependem da doação de sangue para sobreviver. Um caso recente que tem chamado a atenção e sensibilizado a população. O jovem de 21 anos, Felipe Dionísio Vilela, enfrenta um câncer há um ano e meio e recebe bolsas de sangue diariamente para repor as plaquetas e o sangue.

Nas redes sociais várias pessoas compartilharam pedidos para achar doadores para repor o sangue utilizado por Felipe.

Em entrevista ao Agora, a noiva do rapaz, Ana Carolina de Sousa, de 25 anos, contou sobre a importância da doação de sangue para Felipe.

De acordo com Ana, pessoas com qualquer tipo sanguíneo podem fazer a doação em qualquer Hemocentro de Minas, desde que apresente o nome do Felipe. O rapaz já utilizou até o momento, mais de 50 bolsas de sangue e, portanto, precisa repor o que gastou.

Felipe luta contra um câncer de testículo. Conforme Ana explicou, a doença nunca ficou apenas no órgão e subiu pelo retroperitoneal até os pulmões e pescoço.

— Há cerca de 20 dias ele se sentiu mal com falta de ar e foi para o hospital, com intuito de tomar oxigênio. Entretanto, a saturação dele estava baixa e por isso os médicos resolveram entubá-lo. Para seu próprio conforto, ele segue entubado e sedado — relatou.

Ana revelou que o casal pretende se casar e inclusive já estão com a data marcada para o próximo dia 7 de setembro.

Procura-se médicos

De acordo com a assessoria do Hemonúcleo, atualmente, o centro de Divinópolis conta com dois médicos, que trabalham na triagem clínica dos candidatos à doação de sangue. Entretanto, a diretoria técnico-científica considera importante a contratação de mais dois médicos para facilitar e potencializar o trabalho.

Conforme revelou o Hemonúcleo, no ano passado foi realizado um processo seletivo para contratação de médicos para a unidade.  Entretanto, os candidatos inscritos desistiram da participação antes do término das etapas necessárias.

Já em 2019, o processo seletivo foi reaberto e a instituição selecionou um candidato, que está em processo de entrega de documentação para assinatura do efetivo contrato.

Os impactos para a redução de tempo de atendimento já começam a refletir no banco de sangue. A Fundação Hemominas informou que há uma queda de cerca de 10% nos tipos sanguíneos negativos.

Quem pode doar

Para se tornar doador é preciso passar por uma avaliação prévia em ambulatório. Os exames têm o objetivo de detectar alguns impedimentos, como doenças, para a doação. Essa entrevista é particular e os dados são mantidos sob total sigilo.

Existem normas nacionais e internacionais para a triagem de pessoas aptas a doar sangue, sendo que órgãos como o Ministério da Saúde e a Associação Americana de Bancos de Sangue são responsáveis por esse controle.

As normas garantem a saúde das pessoas que receberão o sangue, uma vez que ele não pode estar contaminado com outras doenças.

Os requisitos para doação de sangue são: estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos (sendo que quem tem idade acima de 60 anos só podem doar se já tiverem doado sangue alguma vez anteriormente), pesar no mínimo 50kg, estar descansado e bem alimentado.

Como doar

Além de cumprir com todos os requisitos, a pessoa interessada deve agendar a doação através do site www.hemominas.mg.gov.br ou pelo telefone 155 e escolher a opção 1.

Após marcar a doação e passar pela avaliação é só comparecer ao local e apresentar documento original com foto, que permita o reconhecimento do candidato.

 

Comentários
×