Falsos profetas

Em Mateus 7:15-20 está a seguinte passagem: “Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores. Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas? Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão”. Em outras palavras, Jesus Cristo pedia para ficarmos atentos para que não caíssemos na primeira conversa. Ou melhor, que não nos encantássemos pelo primeiro que falasse aquilo que nós queríamos ouvir, pois era justamente ali que morava o perigo. Nesta passagem da Bíblia, Jesus pede também para que o povo fique atento não só às palavras, mas também aos atos dos falsos profetas, pois seriam através de suas atitudes que eles seriam reconhecidos.

Como todos já estão fartos de saber, 2020 é ano eleitoral e, consequentemente, é um período em que saem candidatos até dos “bueiros” da cidade. E eles vão direto para as redes sociais, muitas das vezes fazendo um desserviço à sociedade. Divinópolis é o lugar ideal para os falsos profetas, ou melhor, pseudopolíticos atuarem, pois o povo divinopolitano é a plateia perfeita para doido fazer show.

Aliás, os shows já começaram. Tem muita gente em franca campanha, empenhada para garantir sua cadeira no Poder Legislativo – e o singelo salário de pouco mais de R$ 11 mil. Já tem falso profeta revoltado até mesmo com o reajuste anual do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), feito com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e fazendo o que faz de melhor: um desserviço para a sociedade. Em outras palavras, gravando vídeo, postando nas redes sociais e patrocinando, com informações totalmente erradas.

Mas, como não é de muito feitio da população ficar alerta sobre os falsos profetas, muitos cidadãos caem na “lorota” e até mesmo aplaudem esse tipo de atitude. Assim, parece que Divinópolis caminha para o mesmo lugar que caminhou nas eleições de 2016: o abismo total. Parece que a última legislatura não foi o suficiente para que o eleitor se informasse, se importasse o mínimo que fosse e ficasse atento aos falsos profetas. Parece que os divinopolitanos gostam mesmo é daqueles que “vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores”. Os alertas parecem inúteis. A cidade está parada no tempo. Quatro anos não foram suficientes para que o povo aprendesse que nem sempre ouvir o que se quer é o melhor para o desenvolvimento de uma cidade.

Pois é, 2020 chegou, o ano eleitoral, os falsos profetas e o mesmo caminho trilhado nas últimas eleições também. É a certeza de que nem mesmo uma das parábolas mais populares da Bíblia é capaz de alertar um povo e evitar, mais uma vez, o caos. Seguimos ansiosos pelos shows e pelas urnas.

Comentários
×