Exposição conta a história da Festa de São Cristovão

 

Esse ano

A festa de São Cristóvão foi comemorada este ano no dia 25 de julho, quando houve a celebração do seu Jubileu de Diamante. São 60 anos que se passaram desde a sua criação. O padre Moacir Chagas Tavares, atual pároco está à frente da Paróquia da Igreja São Cristóvão há pelo menos três anos.

Para comemorar a data, foi aberta nesta segunda-feira, 20, a “Exposição de Objetos Históricos da Festa de São Cristovão de Divinópolis”, que fica disponível à visitação pública até o dia 31 desse mês, no “Espaço Cultural GTO” da Câmara Municipal. No próximo dia 31, no auditório da Câmara, acontece a entrega de troféus denominados “Jubileu de Diamante” a personalidades que fazem, ou fizeram, parte desta história de fé ao protetor dos motoristas.

Agraciados

Os agraciados com o troféu, sendo representados, em sua maioria, por familiares, são: Adilson Magrão, Agostinho Assunção Ferreira, Antônio Correa, Antônio Liberato, Chico Moreira, dom José Carlos de Sousa Campos, frei Miguel, Frei Tiago, Galba Laesse de Oliveira, José Cornélio, José Silvério, José Simões, Lourival Dinis, Lucas Pinto, Maria Aparecida Simões, Miguel Arantes, Odilon Pereira, Ofélia Pereira Vaz, Orlando Vaz da Silva,  Padre Moacir Chagas Tavares, Rafael Assunção Vaz e Sílvio Vaz.

História

Lucas Pinto, um dos primeiros a participar da procissão, conta com precisão um dos grandes e importantes momentos que marcaram o início da realização da Novena e da Festa de São Cristóvão na cidade. Segundo ele, o primeiro ano da festa foi em 1958 com a realização de uma procissão.

— O caminhoneiro e um dos fundadores da festa, Chico Moreira, tinha um Ford 600 — recorda.

Chico Moreira era devoto e um verdadeiro entusiasta, com disposição para executar trabalhos voluntários.

Em julho de 58, Chico Moreira enfeitou com lâmpadas todo o seu caminhão, colocando uma bateria como fonte para alimentar a energia. O caminhão do Chico foi todo enfeitado lá na garagem do Lourival Dinis que ficava na rua Goiás.

A primeira procissão de São Cristovão teve cerca de 100 veículos, tendo a mesma saído de frente a Companhia Siderúrgica Pains, com destino a Igreja de Nossa Senhora da Guia.

Fonte: Textos a partir de pesquisas e depoimentos realizados por Alexandre Guimarães - Curso de pós-graduação Lato Sensu em Teoria da Arte - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ.Julho de 2003.

 

 

Comentários
×