Etanol recua 2,86% em 12 meses

Pablo Santos

 O etanol recuou na semana passada e também nos últimos 12 meses nos postos da cidade. Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) revelam declínio de 2,86% em um ano.

Em janeiro de 2018, o litro do derivado da cana-de-açúcar estava cotado em R$ 3,14, em média, nos estabelecimentos pesquisados pela ANP. Já no mesmo período deste ano, o litro do etanol nos postos de Divinópolis caiu para R$ 3,05.

No entanto, quando se compara a janeiro de 2017, o litro estava com preço mais atrativo: R$ 2,99. No mesmo período de 2016, o etanol era cotado a R$ 2,80.

Em novembro do ano passado, o litro do etanol chegou a custar, em média, R$ 3,17. Já no mês seguinte, passou para R$ 3,06 nos postos da cidade.

No Brasil, os preços do etanol recuaram nos postos de 13 estados e do Distrito Federal na semana passada, de acordo com a ANP. Em 11 estados houve alta, em Roraima, estabilidade, e no Amapá não foi feita avaliação.

Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP, houve estabilidade no preço do etanol na semana passada ante a anterior, em R$ 2,830.

Em São Paulo, principal estado produtor e consumidor, a cotação média do hidratado avançou 0,04% sobre a semana anterior, de R$ 2,643 para R$ 2,644 o litro. Alagoas registrou maior recuo no preço do biocombustível na semana passada, de 4%. Já a maior alta, de 5,67%, foi no Rio de Janeiro.

Na comparação mensal, os preços do etanol subiram apenas no Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Rio de Janeiro, com estabilidade em Minas Gerais e recuos em todas as outras unidades da federação. No Amapá não houve avaliação.

Na média brasileira, o preço do etanol pesquisado pela ANP acumulou baixa de 0,14% na comparação mensal. A maior queda nos preços do biocombustível no período, de 3,42%, foi nos postos do Rio Grande do Norte.

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,179 o litro, em São Paulo. O máximo individual, por sua vez, ficou de R$ 4,949 o litro, no Rio Grande do Sul.

Comentários
×