Estado corta 18 leitos covid do São João de Deus

Redução das internações é a justificativa; vagas foram desmobilizadas e vão atender pacientes sem a doença

Bruno Bueno

O Complexo de Saúde São João de Deus (CSSJD) sofre, a partir desta semana, um corte nos leitos destinados a atender pacientes com covid-19. Segundo informações da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), 18 leitos ‒ oito de UTI e dez de enfermaria ‒ foram desmobilizados e passam a atender pacientes com outras doenças.

— Reforçamos que o Comitê avalia o cenário epidemiológico semanalmente e continuará verificando a necessidade da manutenção de todos leitos disponibilizados para atendimento covid-19, assim como a necessidade de ampliação. Destacamos que o cenário atual tem permitido a redução do quantitativo. Isso se dará sempre que puder ser feito de forma eficiente e segura — justificou a SES em nota divulgada pela Superintendência Regional de Saúde (SRS)

Em toda a macrorregião Oeste, que comporta Divinópolis e outros 53 municípios, 130 leitos ‒ 48 de UTI e 82 de enfermaria ‒ deixaram de atender pacientes com covid-19. A alteração faz com  que a região tenha, atualmente,  169 leitos UTI e 266 de enfermaria. Com exceção dos leitos do Hospital de Campanha de Formiga, que foram fechados, as outras vagas foram direcionadas para atendimento de outras clínicas.

 

Leitos de UTI que foram desmobilizados na região:

  • Hospital São Luiz (Formiga) - 7 leitos de UTI;
  • Santa Casa de (Campo Belo) - 3 leitos de UTI;
  • São João de Deus (Divinópolis) - 8 leitos de UTI;
  • Santa Casa (Santo Antônio do Monte) - 10 leitos de UTI;
  • Hospital de Campanha (Formiga) - 10 leitos de UTI;
  • Hospital São Carlos (Lagoa da Prata) - 10 leitos de UTI.

 

Confira os leitos de enfermaria que foram desmobilizados na região:

  • Santa Casa (Itaguara) - 6 leitos;
  • Santa Casa de Misericórdia (Itapecerica) - 6 leitos;
  • Hospital Carlos Chagas (Candeias) - 10 leitos;
  • Hospital Municipal (Santo Antônio de Cristais) - 10 leitos;
  • Hospital Nossa Senhora Aparecida (Luz) - 10 leitos;
  • São João de Deus - 10 leitos;
  • Santa Casa (Santo Antônio do Monte) - 10 leitos;
  • Hospital de Campanha (Formiga) - 20 leitos.

 

A taxa de ocupação da macro Oeste, na data de ontem, estava em 29% de UTI e 27% de enfermaria. Não havia pacientes aguardando vaga. Conforme informações da SRS, não há previsão para corte dos leitos no hospital de campanha em Divinópolis.

— A UPA é uma questão mais sensível porque, se fechar, não tem como abrir novamente um hospital de campanha — disse em nota.

 

Segundo corte

Esta é a segunda redução de leitos na macrorregião Oeste. No dia 22 de julho, a SES/MG anunciou a desmobilização de 61 leitos, que deixaram de receber pacientes com covid-19.

Veja os hospitais da região que, no dia 22 de julho, deixaram de atender pacientes com covid-19 e voltaram a atender em suas funções antes da pandemia.

 

  • Hospital São Luiz, em Formiga: 7 leitos de UTI;
  • Santa Casa, em Campo Belo: 3 leitos de UTI;
  • Hospital São Carlos, em Lagoa da Prata: 10 leitos de UTI;
  • Santa Casa, em Itaguara: 6 leitos de enfermaria;
  • Santa Casa de Misericórdia, em Itapecerica: 5 leitos de enfermaria;
  • Hospital Carlos Chagas, em Candeias: 10 leitos de enfermaria;
  • Hospital Municipal Santo Antônio, em Cristais: 10 leitos de enfermaria;
  • Hospital Nossa Senhora Aparecida, em Luz: 10 leitos de enfermaria.

 

Redução

A redução da ocupação de leitos na região pode ser evidenciada em Divinópolis. Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), o número de pacientes internados com covid-19 nos hospitais do município se manteve praticamente estável nas duas últimas semanas.

 

— A quantidade de internados é a menor durante a pandemia desde o fim de novembro e começo de dezembro do ano passado. De acordo com os dados da Semusa, na semana de 19 a 25 de setembro, estavam internados 79 pacientes, destes, 28 ficaram no CTI e 51 na enfermaria. Quando se compara com a semana anterior, a quantidade é ligeiramente menor, com 78 internações assinaladas no período de 12 a 18 de setembro, conforme o relatório da Semusa — explicou em nota divulgada.

A Prefeitura informou que, mesmo com a melhora nos indicativos, o cuidado com a pandemia deve continuar o mesmo.

 — Mesmo com os índices melhorando, é fundamental que a população não relaxe e mantenha todas as medidas preventivas como uso frequente de máscara, lavagem das mãos e utilização de álcool em gel, além da manutenção do distanciamento. Todas essas medidas são necessárias para que a pandemia não tenha uma nova onda — finalizou.

 

Comentários
×