Entraves marcam obras de viaduto

Matheus Augusto

[Atualizado às 13h32]

A relação entre Divinópolis e a concessionária AB Nascentes das Gerais é marcada pela espera. Por diversas razões alegadas, como licenças ambientais, várias obras na cidade sofrem com atrasos e não são entregues nas datas previstas inicialmente. A instalação de um viaduto na MG-050, próximo ao bairro Quintino, uma das vítimas desses atrasos, ainda aguarda intervenções de duas estatais para ser concluída. A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) precisa retirar as tubulações de água e esgoto do local. Já a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) tem que remover os postes de rede elétrica.

O viaduto servirá como retorno para quem sai do bairro Quintino com direção ao Centro.

Entraves

A AB Nascentes das Gerais relatou que ainda aguarda a liberação do local para dar continuidade à obra.

— Importante ressaltar que, para a conclusão destas obras no prazo informado, a concessionária necessita que a Copasa e a Cemig retirem tubulações de água e esgoto e postes de rede elétrica, respectivamente. Desta forma, o Estado é o responsável pela remoção destas interferências necessárias para a liberação das frentes de serviço e conclusão da obra —informou.

Mesmo ainda aguardando a retirada dos materiais, a concessionária espera concluir as obras até o fim do ano.

— A AB Nascentes das Gerais informa que o viaduto em questão, no km 132,8 da MG-050, construído recentemente, é a primeira etapa e parte integrante de um dispositivo de retorno em dois níveis que faz parte de um conjunto de obras na região de Divinópolis, entre elas o acesso ao bairro Quintino e a duplicação da rodovia entre os km 131 e km 132,9. Os serviços no local serão retomados ainda em agosto e possuem previsão de conclusão em dezembro deste ano — comunicou.

Copasa

A companhia explicou que já está viabilizando a mudança das redes no local para que a concessionária possa dar continuidade às intervenções.

— A Copasa informa que já elaborou os levantamentos necessários para o remanejamento das redes na região do bairro Quintino, em Divinópolis. A Companhia, em conjunto com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) e a Concessionária AB Nascentes das Gerais, está efetivando o planejamento para a realização das obras e definição do cronograma de execução — comunicou.

Cemig

Já a Cemig explicou que o projeto para a retirada dos postes no local foi apresentado pela Nascentes apenas no mês passado.

— A Cemig esclarece que a remoção dos postes da rede elétrica na rodovia MG-050, em Divinópolis, será feita por uma empreiteira contratada pela AB Nascentes das Gerais, concessionária que administra o trecho da rodovia onde estão sendo realizadas as obras. A Cemig esclarece, ainda, que não está envolvida diretamente com a retirada das estruturas, pois cabe à ela apenas a análise e aprovação do projeto de execução, apresentado à Companhia apenas no dia 9 de julho 2019 — informou.

Relação

Neste ano, a Parceria Público-Privada (PPP) entre o Governo do Estado e a AB Nascentes das Gerais completou 12 anos. O período é marcado por uma relação difícil, principalmente em razão do atraso para entregar as obras dentro do prazo estabelecido.

Com o Estado, por exemplo, a concessionária acumula uma série de multas.

— Cabe ressaltar que, até o fim de 2018, a concessionária AB Nascentes das Gerais já havia sido autuada, pela Secretaria, a pagar mais de R$ 58 milhões em multas, devidas, principalmente, a inexecuções contratuais — informou o Governo.

Dentre as novas determinações do secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), Marco Aurélio Barcelos, para acompanhar o avanço das obras da concessionária está a realização de reuniões periódicas. Até o momento, dois encontros já aconteceram.

Justiça

A relação entre Divinópolis e a Nascentes chegou também à Justiça. O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) abriu, no último dia 5, um inquérito civil para apurar as inundações que ocorreram no bairro Padre Libério. Além disso, o processo prevê a investigação da erosão junto ao Córrego do Bagaço, resultado de irregularidades na tubulação subterrânea, responsável por destinar as águas pluviais dos bairros Santa Marta e Jardim das Oliveiras, conforme apontou o MP. A tubulação citada atravessa a rodovia MG-050.

As inundações indicadas no processo aconteceram, segundo a descrição do inquérito, nas ruas Pinto da Fonseca e Madre Xavier Novoa, durante o mês de março. Em vídeo que viralizou nas redes sociais, o estacionamento de um hotel aparece parcialmente alagado, com parte das rodas dos veículos submersas.

O problema pluvial no local foi levantado pelo vereador Josafá Anderson (CDN) novamente em maio. Na época, a AB Nascentes das Gerais, em resposta ao Agora, comunicou que tal situação era anterior a qualquer obra da empresa no local.

Comentários
×