Entidades solicitam à Prefeitura previsão de reabertura do comércio

Da Redação
O Grupo Gestor através das entidades CDL, ACID, Sincomércio, Sinvesd, Sinduscon-Co, Fiemg Regional Centro-Oeste, Sincondiv e Creci, afirma reconhecer os cuidados necessários quanto à prevenção para conter o avanço do novo coronavírus no Brasil e no mundo. As entidades, no entanto, se dizem certas de que é preciso preocupar-se também com os milhares de trabalhadores e empresários prejudicados com o fechamento do comércio.
Efeitos
Para as instituições, conforme manifestam na carta, é necessário pensar nos “efeitos catastróficos que o fechamento das atividades terão sobre todos, empreendedores, empregados e poder público… Cogita-se, a partir de estudos da Fiemg, que o número de desempregados no país deva alcançar 29 milhões”.

Comércio


Em Divinópolis, apenas o setor do comércio emprega mais de 15 mil pessoas. As restrições impostas de maneira indeterminada, segundo as entidades, geram insegurança aos empreendedores que podem levar a uma grave crise de emprego na cidade.
A restrição total imposta pelo Governo de Minas, conforme esclarece o secretário geral do Executivo estadual, Mateus Simões de Almeida, recai apenas àquelas atividades ou empreendimentos que, dada a sua natureza, necessariamente irão gerar aglomeração de pessoas.
— Caberá aos municípios, impor outras restrições e medidas sanitárias para as atividades e empreendimentos que permanecem funcionando, de modo a evitar, ao máximo, o total fechamento — analisou o secretário.
Decisão
Portanto, o secretário estadual deixa claro que a decisão é do município de restringir ou não o funcionamento das atividades que não estejam expressas no decreto estadual. Nessa medida, as entidades solicitam um posicionamento da Prefeitura, para que apresente uma previsão para reabertura do comércio e serviços de Divinópolis.

Ações


As referidas entendidas pedem ainda, que haja um planejamento das ações que deverão ser adotadas durante esse período de confinamento social e solicitam uma previsibilidade para retomada dos negócios, além de medidas econômicas possíveis de serem adotadas pelo governo municipal para salvaguardar os empregos e a renda na cidade.
Na carta, as instituições solicitam também, análises e projeções da situação no município quanto aos impactos sociais e econômicos causados pela pandemia e pedem uma programação da volta das atividades econômicas, levando-se em conta um rigoroso controle de prevenção, obedecendo às orientações dos órgãos de saúde.
— O que queremos com a carta é chamar a Prefeitura para a sua responsabilidade quanto aos impactos econômicos causados pela pandemia no município. Estamos certos que a preservação da vida humana sobrepõe a qualquer preocupação mercadológica, e que cabe aos órgãos responsáveis definir as diretrizes de proteção social. No entanto, o empreendedor de Divinópolis precisa de um planejamento para que possa minimizar o impacto da crise, salvar empregos e evitar o fechamento de empresas — ressalta o presidente da CDL Divinópolis, Luiz Angelo Gonçalves.
Medidas de segurança
As entidades e empresas permanecem com o trabalho de orientação da população quanto às medidas de segurança e controle, para que haja um retorno seguro e responsável das atividades econômicas em Divinópolis.

Comentários
×