Entidades pedem revisão no horário de funcionamento do comércio

Solicitação é que seja avaliada a abertura das lojas de rua de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e no sábado entre 8h30 e 14h

Da Redação

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Divinópolis e entidades membros do Grupo Gestor protocolaram na Prefeitura, nesta terça-feira, 23, pedido de revisão do horário de funcionamento do comércio. Dados mostram que o setor varejista foi severamente atingido pelo fechamento total ordenado em razão da pandemia, sendo evidente que o funcionamento em horários reduzidos continua trazendo prejuízos às empresas.

Medidas 

A alegação é de que os empresários já utilizaram todos os recursos oferecidos pelo Governo Federal, como as medidas de suspensão de contrato de trabalho e redução de jornada, anunciadas pela MP 936. Além disso, afirmam que a maioria deles não conseguiu o dinheiro emprestado que o governo disponibilizou por meio de linhas especiais de crédito. Ou seja, caso o comércio não volte a funcionar regularmente, muitas empresas, conforme as entidades, estarão fadadas a fechar as portas, deixando de pagar fornecedores e empregados.

Argumentos  

As entidades reclamam que, após os 15 dias do fim da escala de funcionamento, o comitê de enfrentamento da covid-19 mostrou que os casos da doença na cidade permanecem controlados, tendo em vista que a rede hospitalar e assistencial do município se encontra devidamente estruturada, bem como a ocupação de leitos de UTI encontra-se em patamar inferior a 50% da capacidade, conforme considerações apresentadas nos decretos municipais, sendo cenário propício para avanço na retomada dos negócios.

— Nossa proposta de solicitação de mudança do horário do comércio é com base na reabertura parcial, que já vai completar 60 dias. Então, já é possível ao comitê avaliar qualquer impacto do comércio na cidade porque já existe uma base grande de análise para este retorno. A volta já foi feita há 15 dias para dias de segunda a sexta-feira, o que já foi de grande valia, no entanto, ele é um horário bastante reduzido, que é hoje das 10 às 16h, o que está provocando aglomerações em determinados horários, como o de almoço. Nossa ideia é de ter um horário mais prolongado, das 10 às 19h, para que o consumidor tenha maior comodidade e o comerciante mais oportunidade para vender. A ideia é favorecer a economia, mas sem impactar as medidas de segurança e sem impactar também o horário de pico dos coletivos — avaliou o presidente da CDL/Divinopolis, Luiz Angelo Gonçalves.      

Horário 

Outro ponto importante a ser observado, segundo as alegações, é que o horário reduzido do comércio tem gerado a concentração de consumidores nas lojas no horário do almoço, favorecendo a aglomeração de pessoas, o que poderia ser facilmente evitado com a extensão no horário de funcionamento, segundo as entidades. Nessa medida, membros do Grupo Gestor pedem que seja avaliada a possibilidade de abertura das lojas de rua de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e também com funcionamento no sábado, entre 8h30 e 14h.

O Grupo Gestor entende que, além de criar um ambiente propício para a saúde pública, ao diminuir o fluxo de consumidores, a mudança possibilitaria a igualdade de funcionamento das lojas de rua e shoppings, oferecendo aos empresários um horário bom para as vendas, a fim de tentar gerar faturamento suficiente para pagar empregados, fornecedores e aluguéis. 

A proposta da mudança de horário também considera o cenário do transporte público apresentado às entidades pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settrans), e tem a intenção de contribuir com a redução de fluxo de usuários nos horários de pico.

Comentários
×