Empresas faturam R$ 1 bilhão com as exportações

Pablo Santos

 

As empresas divinopolitanas faturaram R$ 1 bilhão com as exportações até novembro. As vendas dos produtos locais para o exterior se concentram para República Dominicana, Peru, Holanda e Taiwan. Itens siderúrgicos são os principais produtos negociados com outros países.

De acordo com os dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o faturamento das exportações divinopolitanas chegou à cifra de US$ 214 milhões. Convertendo para reais, a indústria local já negociou R$ 1 bilhão de janeiro a novembro.

Quando comparado com o mesmo período do ano passado, as exportações da cidade cresceram 22,15%. De janeiro a novembro do ano passado, foram negociados com outros países US$ 175 milhões.

Produtos semimanufaturados de ferro ou aço são os itens com maior percentual de vendas para o exterior: 69% dos US$ 214 milhões. Barras de ferro ou aço não ligado foi o segundo produto com maior volume enviado para outros países: 14%, acompanhado de ferro fundido bruto e ferro spiegel (12%).

A República Dominicana é o maior parceiro comercial de Divinópolis. Dos US$ 24 milhões, 58% foram para a nação caribenha. O Peru é o segundo país: 15%, seguido por Colômbia (5,5%), Holanda (4,4%) e Reino Unido (1,9%).

Brasil

No acumulado de janeiro a novembro de 2019, no Brasil, as exportações registraram queda de 7,2% ante o mesmo período de 2018. O resultado decorre da diminuição nas vendas de manufaturados, semimanufaturados e básicos. Em 2019, as vendas para o exterior somaram US$ 205,863 bilhões.

O comércio de minério de ferro aglomerado caiu US$ 293 milhões, influenciado pelo recuo no volume exportado desde o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), que levou à interrupção na atividade em outras minas da Vale. Também contribuiu para a queda nas exportações a redução de US$ 109 milhões nas vendas de café torrado, provocada pelo recuo no preço e na produção, e a diminuição de US$ 92 milhões nos embarques de pasta química de madeira, provocada pela desaceleração da economia chinesa.

 

Comentários
×