Empresas de telefonia e internet denunciam concorrente por rompimentos de cabos em Divinópolis

Da Redação

Operadoras de internet e telefonia acusam a Vivo de cortar vários dos seus cabos durante a instalação de serviços em Divinópolis. As empresas reclamaram à Câmara. 

O vereador Roger Viegas (Pros) pediu à Comissão de Justiça Legislação e Redação uma reunião para discutir a situação da fiação nos postes de energia da cidade e os prejuízos relacionados ao cabeamento das prestadoras de serviços de telefone, internet e energia elétrica. 

Participaram da reunião representantes das empresas KPL, Viacel, Petrarca e Cemig. Por parte do Município, participaram membros da Secretaria de Trânsito e Transportes (Settrans), da Procuradoria e também da Gerência de Iluminação da Prefeitura. 

Segundo a assessoria de imprensa do Legislativo, o primeiro a se manifestar foi o prestador de serviços da KPL, que relatou ter recebido uma sequência de e-mails de reclamações na área da telefonia, além das demais reclamações nos setores de cabeamento de internet, iluminação e TV a cabo. 

O representante da Viacel, Rondinelli Reis, contou que já entrou com ações judiciais por causa dos prejuízos que a empresa tem sofrido com os recorrentes cortes em seu cabeamento, possivelmente ocasionados pela empresa concorrente Vivo. 

— Essa situação está arranhando a imagem da nossa empresa, além dos cancelamentos feitos pelos clientes insatisfeitos com os corte dos fios — disse Rondinelle Reis. 

Grace Kelly, representante da empresa Petrarca internet, fez coro dizendo que os funcionários da Vivo já cortaram por diversas vezes o cabeamento da empresa e ainda que houve situação em que os funcionários da concorrente ainda teriam utilizado os cabos como sonda. 

Diego Alexandre, funcionário da KPL, lembrou que além de cortados, os cabos também desaparecem e são furtados e a empresa ainda tem que substituir os equipamentos. 

— O critério de trabalho deles é sem lei e sem técnica nenhuma. Não se identificam com uniformes, não têm plotagem da empresa nos veículos e esse fato dos cabos cortados tem acontecido na cidade inteira — frisou. 

Os representantes da Procuradoria municipal disseram que o setor está avaliando toda a documentação das denúncias para, caso necessário, entrar com multa e processo contra a empresa que estaria cometendo os prejuízos citados. 

Já com relação à autorização que a Settrans libera para a empresa fazer o fechamento da via pública, foi entre os meses de abril a junho e já está vencida a documentação. 

A gerente de Iluminação da Prefeitura, Vanessa da Silva Oliveira, destacou que comunicou à Cemig e repassou também à Procuradoria. Porém, ressaltou: 

— Não apenas a Vivo deve ser notificada, mas todas devem ser notificadas sobre o ocorrido. 

O vereador Sargento Elton (Patriota) relembrou a recente aprovação do projeto que corresponsabiliza as empresas pela retirada e alinhamento dos fios em desuso e desordenados nos postes de energia elétrica do município.

O representante da Cemig afirmou que cada empresa de telefonia é responsável pela retirada dos seus fios em desuso. Caso isso não ocorra, a empresa é notificada pela Cemig. 

Ao fim da reunião foi pedido que todas documentações e fotos sejam enviadas ao Ministério Público mineiro para agilizar as providências relacionadas a estas reclamações. 

Roger Viegas afirmou que o problema poderá ser debatido tanto em audiência pública como, se necessário, em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

Outro lado

Na manhã desta segunda-feira, 13, o Agora pediu o posicionamento da Vivo sobre o caso e obteve retorno na tarde de terça, 14. 

— As obras da Vivo são executadas mediante autorização da administração pública, seguindo critérios determinados pelas autoridades locais, inclusive para a recuperação de vias e calçadas de acordo com os padrões originais. Durante o período de obras, todos os colaboradores também são orientados a zelar pela infraestrutura já utilizada por outras ocupantes — diz a empresa. 

Comentários
×