Empresários apontam queda na atividade da construção

Pablo Santos

A Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais, apontou declínio da atividade em outubro, depois de dois aumentos consecutivos. Outro ponto destacado foi o número de empregados em queda. Apesar de resultados negativos, os empresários apostam em crescimento nos próximos seis meses, os dados fazem parte da pesquisa realizada pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).

O índice de atividade da construção recuou 5,5 pontos frente a setembro (52,3 pontos) e marcou 46,8 pontos em outubro.

— Após permanecer por dois meses acima dos 50 pontos – fronteira entre queda e expansão –, o indicador voltou a apontar decréscimo da atividade. O índice ficou praticamente no mesmo nível do observado em outubro de 2018 (46,9 pontos) —afirmou o estudo da Fiemg.

 

Os empresários do setor mantiveram o otimismo em relação à atividade, à oferta de novos empreendimentos e serviços e ao número de empregados nos próximos seis meses.

— As intenções de investimento aumentaram pelo terceiro mês sucessivo, e foram as mais elevadas para novembro desde o início da série histórica, em 2013 — destacou.

O indicador de expectativa de nível de atividade caiu 0,5 ponto frente a outubro e registrou 54,3 pontos em novembro. Ao ficar acima dos 50 pontos – limite entre queda e elevação – o índice revelou que os empresários do setor anteveem avanço da atividade nos próximos seis meses. Na comparação com novembro de 2018 (50,5 pontos) aumentou 3,8 pontos, e foi o mais alto para o mês em nove anos.

O indicador de nível de atividade em relação ao usual retraiu 5,7 pontos em outubro (34,0 pontos),na comparação com setembro (39,7 pontos), e continuou abaixo dos 50 pontos, mostrando atividade inferior à habitual para o mês. Em contrapartida, registrou aumento de 3,9 pontos frente a outubro de 2018 (30,1 pontos) e foi o índice mais elevado para o mês em cinco anos.

Comentários
×