Emprego nas micro e pequenas fica negativo

Pablo Santos 

Levantamento concluído pelo Sebrae, com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), apontam que das 121 mil vagas abertas no mercado de trabalho, mais de 95 mil foram nas micro e pequenas empresas (MPE). Em Minas Gerais, a região Central contribuiu com 6 mil postos, no entanto o Centro-Oeste registrou saldo negativo em agosto.

Segundo levantamento realizado pelo Sebrae Minas com base em dados do Caged, do saldo líquido de 5.895 empregos apurados no mês no Estado, 4.265 foram gerados pelas MPEs.

Conforme os dados, o saldo de 4.265 vagas criadas por MPEs em Minas em agosto é resultado de 102.753 admissões e 98.488 desligamentos.

Do total apurado em saldo de empregos em Minas, no mês de agosto, a região Centro-Oeste cortou oportunidades em agosto. De acordo com o levantamento, foram encerrados 99 postos. Também cortaram vagas Sudoeste, com as mesmas 99 do Centro-Oeste, Noroeste e Alto Paranaíba (581). O maior corte foi na região Sul: 3.164 oportunidades. 

No entanto, o maior destaque foi a região Central, com 6.151 vagas criadas, seguida pelo Triângulo (689); Zona da Mata e Vertentes (533); Rio Doce e Vale do Aço (318); Norte (267); e Jequitinhonha e Mucuri (151).

MG

As micro e pequenas empresas (MPEs), em Minas Gerais, representam 99% do segmento empresarial e respondem por 61% dos postos de trabalho.

Entre as MPEs do Estado, o setor de agropecuária, extração vegetal, caça e pesca foi responsável pelo fechamento de 8.277 empregos. Esse resultado negativo foi compensado pelo desempenho do segmento de serviços, que gerou 5.672 vagas, seguido pela construção civil, com 2.645 postos e pela indústria de transformação (1.940) e comércio (1.911). O setor de serviços industriais de utilidade pública gerou um saldo positivo de 273 oportunidades e a extrativa mineral, de 101.

Comentários
×