Em tempo real

Os tempos mudaram e toda transformação requer paciência, mas, principalmente, sabedoria. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Rogério Medeiros, esteve em Divinópolis na última sexta-feira, 14, e alertou os prefeitos do Centro-Oeste e possíveis candidatos ao Legislativo e Executivo sobre a disseminação de notícias falsas durante as eleições deste ano. Muita gente pode não ter percebido, mas o que tem de candidato em franca campanha não está escrito. E o que muita gente também não sabe é que esses cidadãos – que se dizem revoltados com as mazelas da cidade, gravam vídeos e postam em suas redes sociais – não estão nem aí para Divinópolis. O único propósito deles é chegar ao poder. Mas, para chegar ao poder, é necessário que se crie uma pauta que venha de acordo a um clamor social e seja aceita pela população.

Como estamos falando de Divinópolis, o que não falta é pauta que sensibilizará o povo, afinal, basta olhar o estado em que a cidade se encontra. A verdade é que muitas destas pautas que sensibilizam o povo e geram clamor social são abordadas, muitas vezes, de forma errada, o que automaticamente causa um desserviço à sociedade e, consequentemente, é uma fake news. Por mais que muitos defendam que uma notícia falsa é aquela que é totalmente inventada, a história não é bem assim. Uma informação distorcida também é fake news e pode causar danos irreversíveis a uma cidade, povo e nação. E é justamente aí que os candidatos e seus apoiadores deverão ter cuidado, ou melhor, cuidado em dobro.

Depois da experiência desastrosa das eleições de 2018 – em que não houve controle e punição alguma aos produtores e disseminadores de notícias falsas –, neste ano a coisa será diferente. O Tribunal contará com o apoio da Polícia Federal (PF) e investigará em tempo real as malditas fake news. Tal atuação é mais do que necessária para garantir um pleito justo. Talvez não seria necessário tanto esforço para se garantir o máximo de “integridade” da disputa, mas 2018 foi a prova de que vale tudo pelo poder. Vale tudo para enganar o eleitor – o que não é novidade – e para manchar a imagem do concorrente. Vale tudo, menos mostrar trabalho e propostas. Mas, infelizmente, este comportamento está enraizado em nosso povo. Se pararmos para pensar, muitas vezes elegemos um candidato pelo que ele apontou do outro, não pelo que apresentou de projetos e de seu trabalho.

E disso tudo fica o alerta não só para os prefeitos e para os candidatos ao Poder Legislativo, mas também aos eleitores, pois a responsabilidade é de ambos os lados. Afinal, tudo funciona como uma engrenagem. É necessário estar atento ao comportamento, discurso e aos projetos apresentados pelos candidatos. É imprescindível ter atenção, para depois não ficar quatro anos choramingando nas redes sociais pedindo renovação. Ao eleitor, esta chance é dada a cada dois anos e também é oferecida a oportunidade de não cair no primeiro papo bonito, pois de boas intenções e de fake news o inferno está lotado.

Comentários
×