Educação transformadora

Euler Vespúcio 

É instigante e inspirador o livro “Nosso lugar: o caminho que me levou à luta por mais mulheres na política”, de Tabata Amaral, recém-lançado pela Companhia das Letras.

Mostra a trajetória da atual deputada federal, PDT-SP, e a superação, através da educação, de uma infância de recursos limitados e enormes dificuldades.

Tabata viveu na periferia de São Paulo, na Vila Missionária. Estudou em escola pública, se destacou em uma olímpiada de matemática e, por isso, ganhou uma bolsa parcial e depois integral de uma escola particular. Literalmente, recebeu uma oportunidade e soube aproveitá-la.

O corpo docente da escola percebeu o potencial de Tabata e lhe proporcionou todos os recursos para ela estudar. Ela ganhou medalhas em olimpíadas (nacionais e internacionais), foi selecionada para estudar em várias universidades americanas, com bolsa integral, e escolheu ir para a Universidade de Harvard, onde se formou em ciência política e astrofísica.

Tabata narra as dificuldades de as mulheres serem aceitas em um pleito eleitoral, majoritariamente masculino, e cita a importância de selecionar mulheres líderes, participantes das comunidades, dispostas a ocupar cargos eletivos e fazer a diferença na política. 

Para superar os empecilhos e alcançar maior diversidade na política, com aumento da participação das mulheres, Tabata cita na página 170: “Todos nós, homens e mulheres, podemos contribuir para que não seja preciso esperar gerações inteiras até que as mulheres tenham, de fato, voz e vez na política. Todos podemos pressionar os partidos para que sejam mais éticos, democráticos, transparentes e inclusivos, assim como os parlamentares para que aprovem legislações que tornem a nossa política mais representativa. Podemos também incentivar as mulheres líderes que conhecemos a participarem da política eleitoral e, quando elas decidirem se candidatar, podemos ser seus maiores apoiadores. E – por que não? podemos votar em candidatas mulheres, mesmo que tenhamos uma candidata que, talvez por ter menos espaço e recursos, não tenha pedido o nosso voto diretamente”. 

Durante a campanha eleitoral, a sua bandeira foi a transformação da sociedade através da educação, aproveitando a sua formação intelectual e sua experiência de vida.

Recentemente, Tabata se empenhou e conseguiu na Câmara Federal aprovar o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), com ampliação da complementação de recursos pela União de 10% para 23%, mudança na distribuição dos recursos para beneficiar os municípios mais pobres e aumento do valor mínimo gasto por aluno.

Pelo exemplo de Tabata, para ter decisões políticas plurais e mais construtivas, devemos, nos diversos níveis federativos (União, Estado e municípios), diversificar nossas escolhas e votar para eleger pessoas de variadas visões, formações, de sexo, de gênero, de cor.

eulervespucio@yahoo.com.br

Comentários
×