Educação ameaça greve se não houver pagamento

 

Prefeitura alega falta de repasses do Estado; dívida já chega a R$ 10 milhões

Maria Tereza Oliveira

Profissionais da educação da rede municipal podem entrar em greve nos próximos dias. Isso porque a Prefeitura já informou que se não vier nenhum repasse do Estado, os salários vão atrasar, além dos servidores que não receberam as férias. Já pensando em soluções e encaminhamentos, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal do Município de Divinópolis (Sintemmd) marcou uma reunião com a categoria para a próxima terça-feira, 11, para debater o tema.

— Nós estamos nos movimentado com os funcionários da educação a fim de buscar resoluções para os atrasos. Precisamos ver quais encaminhamentos a categoria irá seguir — explicou Suely Maria Meireles, membro do Conselho Fiscal do Sintemmd.

Suely salientou a preocupação dos funcionários em relação aos pagamentos.

— Visto que a maioria dos profissionais da educação ainda está sem receber as férias, além dos boatos que surgem sobre possíveis novos atrasos, a situação torna-se mais alarmante — destacou.

Além da reunião da terça com o Conselho Regional de Educação (CRE), haverá uma assembleia na quarta, 12, às 18h30.

— Se não pagar o salário e as férias a rede vai parar — declarou.

Sintram

O Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste de Minas Gerais (Sintram) afirma que está contribuindo com Sintemmd através do apoio.

A presidente da entidade, Luciana Santos, destaca que o Sintram e o Sintemmd estão buscando uma solução para o problema desde o início do ano.

— Estivemos por diversas vezes na Câmara, nos reunimos com representantes do governo e tivemos a promessa de que essa situação seria sanada, porém não é isso que está acontecendo — revelou.

Ela alertou para a revolta dos professores e demais funcionários da educação.

— O que percebemos é que continua faltando diálogo, até mesmo boa vontade, porque o pagamento do servidor é sagrado, é o seu sustento, portanto, precisa haver responsabilidade com ele — desabafa.

Luciana afirma que a preocupação do Sintram vai além dos professores, englobando também todos os servidores.

— O Executivo firmou conosco o compromisso de pagamento integral até o 5º dia útil e isso vem sendo cumprido para o quadro geral. Quanto aos professores, embora eles tenham sua representatividade, o Sintram continua à disposição e entende que a categoria não pode continuar no prejuízo — reitera.

A presidente garantiu o apoio a todos profissionais da educação para buscar uma solução definitiva para a situação.

Justificativa

Em comunicado enviado na terça, 4, a Prefeitura afirmou que a situação é resultado dos atrasos do Governo Estadual em repassar os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Segundo a Administração, os funcionários com salário até R$ 1,8 mil irão receber o salário integral hoje. Isso equivale a 771 servidores.

Para o restante dos funcionários a Prefeitura afirma que, caso o Estado deposite a parcela de R$ 1,4 milhão, o salário será pago na próxima semana. Atualmente, a dívida com o Fundeb é de R$ 10 milhões.

 

 

Comentários
×