Educação adota “operação tartaruga” a partir de segunda

 

Maria Tereza Oliveira

A rede municipal decidiu que irá adotar a “operação tartaruga” a partir da próxima segunda, 24. A resolução surgiu após a assembleia realizada ontem à tarde com os servidores.

Os educadores municipais estão insatisfeitos com atrasos salariais há tempos e, por isso, ontem paralisaram suas atividades como forma de protesto.

Segundo a membro do Conselho Fiscal do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal do Município de Divinópolis (Sintemmd), Suely Maria Meireles, os funcionários irão trabalhar durante meio período, ou seja, se as aulas começam às 7h e vão até 11h30, com a operação tartaruga, as aulas irão das 7h às 9h15.

Suely contou que a Prefeitura prometeu oficializar os funcionários da educação. Além disso, foi formada uma comissão.

— A comissão será responsável por manter contato, tanto como o prefeito, como com a Secretaria Municipal da Educação (Semed) — explicou.

Durante a manhã de ontem, a rede municipal de educação realizou uma caminhada no Centro, para chamar a atenção para o movimento. Mais de 10 mil estudantes ficaram sem aulas.

Prefeitura

A Administração, por meio de nota, afirmou que é comprometida com a transparência e verdade dos fatos.

Em uma carta aberta à população, a Prefeitura declarou que o Governo Estadual deve R$ 85.922.730,23 e, que deste total, R$ 11.467.656,59 são do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Na carta, a Administração assume que os funcionários da educação não receberam as férias coletivas e afirma que na reunião com a categoria em junho passado, já havia alertado sobre a situação financeira enfrentada pelo Município.

— Foi informado que tão logo o governo do Estado fizesse o repasse dos recursos, estaríamos efetuando o pagamento das férias, mesmo porque o Município, além de não receber o repasse do Fundeb, não possui orçamento e recursos no caixa geral para bancar essas despesas — explica a nota.

A Prefeitura se comprometeu que, assim que os recursos chegarem fará, imediatamente, o repasse aos servidores, buscando regularizar os pagamentos.

Sintram

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram), Luciana Santos, declarou apoio à paralisação.

Ela lembrou que os dois sindicatos (Sintram  e Sintemmd) estão juntos na causa desde o 1º semestre tentando encontrar uma solução.

— O Sintram é solidário ao movimento dos professores, por entender que á uma causa mais do que justa, já que o salário é um direito de todo trabalhador e deve ser uma das prioridades para qualquer patrão — reforçou.

Luciana disse ainda que o Sintram juntamente com o Sintemmd participa de várias reuniões com a Comissão de Educação da Câmara e com o Executivo para encaminhar uma solução definitiva para os atrasos.

— O que não aconteceu até agora. Os professores estão lutando somente por seus direitos que é receber em dia os salários — destacou.

 

 

Comentários
×