Eduardo Print Júnior é o novo líder do governo

 

Da Redação

O vereador Eduardo Print Júnior (SD) é o novo líder do governo na Câmara. A decisão foi tomada ontem, durante uma reunião com o prefeito Galileu Machado (MDB). O encontro também com a presença dos vereadores Renato Ferreira (PSDB) e Rodrigo Kaboja (PSD).

Renato também estava na disputa pelo cargo, mas abriu mão de ser a voz do prefeito na Câmara. Print terá como missão, além de preparar o terreno para projetos polêmicos como o da revisão da planta de valores do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), manter a base de Galileu consolidada na Câmara.

Ao Agora, o vereador que já foi oposição declarada ao prefeito na Câmara, disse acreditar que o seu papel enquanto opositor foi bem feito. Segundo Print, o convite foi feito a ele por Galileu, no anseio de que o vereador o auxilie nos problemas apontados por ele ao prefeito, e também para ajudar na articulação entre Executivo e Legislativo, e que na maioria das vezes não tem sucesso.

— Às vezes vem um projeto simples para a Câmara, não tem explicação, não tem quem faça a explanação dele, como aconteceu nos últimos anos e acaba ficando aquele jogo de empurra. Ninguém vota, ninguém sabe o que significa o projeto. Então a nossa missão é dar transparência a isso e dar mais visibilidade e publicidade a todos os projetos do Executivo que aqui aportarem — afirma.

Eduardo está sem seu segundo mandato como vereador, e exercerá a função de líder do governo na Câmara pela primeira vez. Logo após a reunião, onde ficou definido que o parlamentar exerceria a função no Poder Legislativo, Galileu disse que Eduardo reúne todos os requisitos para o exercício da liderança.

— Trata-se de um vereador que entende os anseios do povo e, apesar de ainda jovem, carrega uma grande experiência política, principalmente, como articulador. Sua história é uma das marcas do seu mandato — ressalta.

Planos

De acordo com o vereador, na reunião realizada ontem já foi discutida a situação econômica do Município. Segundo Print, os seus maiores desafios serão os projetos mais polêmicos do Poder Executivo, como o aumento do IPTU. O vereador afirmou ser contra as alíquotas aplicadas, mas não ser contra a revisão da planta de valores.

— Sou favorável à revisão de planta de valores, mas não sou favorável às alíquotas [cobradas]. Cabe a nós fazermos os ajustes, para dar mais transparência, para a população entender o que é isso — pontua.

O segundo projeto apontado como polêmico por Eduardo é o de “Segregação de Massas”. De acordo com o vereador, os servidores municipais serão os mais afetados com a aprovação da proposta. Conforme informou Eduardo, caberá ao Sindicato dos Trabalhadores Municipais Divinópolis e Região (Sintram) e ao Sindicato de Trabalhadores da Rede Municipal de Educação (Sintemmd) se pronunciarem e comunicarem aos vereadores como a proposta deverá ser votada. Ainda segundo Print, a matéria polêmica ainda não aportou na Casa, mas condiz com o futuro do Diviprev.

— A maioria dos vereadores não depende do Diviprev, e quem depende dele é o servidor. O que nós estamos tentando fazer neste momento é dar uma sobrevida ao Diviprev, porque na previsão que se tem hoje, com a quantidade de servidores que aposentam e a quantidade de gente que tem de contratar para pagar os aposentados está desproporcional. Isso não funciona — conclui.

Comentários
×