Donos da verdade

Preto no Branco 

As Eleições Municipais 2020 entraram em uma nova etapa, com o início da campanha eleitoral aos cargos de prefeito, vice e vereador. Os candidatos foram liberados para mostrar suas propostas e tentar convencer o eleitor de por que ele merece seu voto. Mas, se depender das primeiras exibições de alguns em Divinópolis, a tarefa não será tão fácil assim. Cada coisa que se viu e ouviu, que, sinceramente, ou falta uma assessoria mais atuante e presente, ou os candidatos não aceitam as opiniões e sugestões. E como tem político assim por aqui. Apenas ainda não descobriram que os donos da verdade estão fadados ao fracasso.

Menos, por favor

Música, encenações e até dancinhas para lá de esquisitas. Tudo isso faz parte do show na tentativa de agradar. Quando isso acontece, falta o que realmente interessa: sugestões que realmente vão fazer diferença na vida da população, especialmente, aquela mais necessitada. Ah, e tem os famosos jingles e as próprias músicas criadas para a campanha. Quantos a estes, me poupe! Não precisam ser ótimos ou excelentes, isso seria querer demais. Mas menos ruins, já ajudaria. E isso porque a propaganda gratuita no rádio e na TV ainda não começou, só dia 9 de outubro. No entanto, o que foi distribuído nas redes sociais e em grupos de bate-papo está sendo um aperitivo do que vem por aí.  Aliás, neste sentido, nada é tão ruim que não possa piorar!

Mais do que nunca

Se o ambiente virtual já era usado e abusado por políticos, pré-candidatos e candidatos, a pandemia do novo coronavírus veio para consolidar isso. Mais do que nunca, a internet ganha mais importância e deve fazer a diferença nesta corrida eleitoral. Os candidatos poderão fazer suas propagandas nos sites dos partidos e deles próprios, em blogs, postagens em redes sociais e aplicativos de mensagens, e o que há mais disponível no mundo virtual. No entanto, é preciso que apoiadores e pessoas próximas fiquem atentas. Os impulsionamentos, o disparo de mensagens e a propaganda em sites de qualquer empresa que seja, órgãos públicos ou que prestam serviços sociais são proibidos. Portanto, para muitos que se fingem de desentendidos, se não quiserem entrar na mira da Justiça Eleitoral, é bom ficarem atentos.

Qual o motivo?

E, se em Divinópolis o número de candidatos a prefeito e vereadores foi bem maior do que nas eleições de 2016, é apenas reflexo do que ocorreu no restante do país. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que foram registradas 517.786 solicitações de candidatos para concorrer no processo de 2020. Em 2016, foi bem menor o número de pedidos de registro, que somou 496.927. E motivos para esta busca desenfreada por cargos não faltam. Ótimos salários, facilidades em todos os meios e, muitas vezes, enriquecimento incompatível. Claro que existem exceções. Ainda bem. Assim sendo, resta à população exercer seu papel extremamente importante: acompanhar e fiscalizar seus representantes e exigir que as promessas sejam cumpridas e que eles tenham mandato produtivo e transparente. Ao contrário, estará sendo cúmplice dos malfeitores. 

Custo nas alturas

E cobrar dos representantes eleitos não é nada demais, afinal, o custo deles para seu patrão,  que é o povo, é milionário.  Para se ter uma ideia do exagero,o  Brasil tem 5.568 prefeitos, mesma quantidade de vices e 57.931 vereadores. Nas Câmaras Municipais, a quantidade de representantes é maior do que a população de muitas cidades do país. Somados, os valores pagos a eles, governadores, vices, senadores, deputados e companhia LTDA chegam a cerca de R$ 128 bilhões por ano. O que significa R$ 248 mil por minuto; R$ 14,9 milhões por hora; R$ 357,5 milhões por dia e R$ 10,7 bilhões por mês. Isso fora os bilhões destinados ao fundo partidário. É ou não motivo suficiente para cobrar de cada um que está lá? Imagine esses valores, ou pelo menos boa parte deles, investidos em benefícios tão necessários à população que a cada eleição só ficam nas promessas? Que tal refletir? #ficaadica. 



Coment√°rios
×