Divinópolis tem mais uma suspeita de febre maculosa

Maria Tereza Oliveira

Nesta semana surgiu mais um suposto caso de febre maculosa em Divinópolis. Um homem de 32 anos deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) com sintomas da doença e foi transferido para a capital mineira. O Município admitiu ontem, 18, que a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) está acompanhando o estado da possível vítima.

De acordo com informações, o paciente mora em São Sebastião do Oeste, entretanto, trabalha na zona rural de Divinópolis.

A possível vítima da doença teve amostras de sangue recolhidas para serem analisadas pela Fundação Ezequiel Dias. A Prefeitura aguarda os resultados dos exames.

Surto

Desde julho a cidade lida com a doença e três mortes foram confirmadas. A primeira foi a de uma jovem de 24 anos e aconteceu no dia 1º de julho. No dia 23 do mesmo mês, um idoso de 81 anos morreu três dias após dar entrada no Hospital Santa Mônica. A 3ª morte confirmada foi a de um idoso de 63 anos, ocorrida no dia 4 de agosto.

A morte da mulher de 41 anos que deu entrada na UPA no dia 13 de setembro e morreu no dia seguinte continua sendo investigada.

Embora casos da doença possam ocorrer durante todo o ano, é no período seco, especialmente entre os meses de junho e novembro, que eles ocorrem com maior frequência.

Somente no mês de setembro, o município registrou atendimentos a duas crianças com sintomas da doença, uma de dois e outra de dez anos de idade. Amostras de sangue dos pacientes foram recolhidas e enviadas à fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte, para análise. A Semusa também acompanhou a internação de uma criança de oito anos.

Doença

A febre maculosa é transmitida através da picada de carrapatos infectados, principalmente os popularmente conhecidos como carrapato-estrela.

No mês passado, a Semusa recomendou que as pessoas que frequentarem locais com incidência de carrapatos, como por exemplo, zona rural, locais interditados, além do contato com animais silvestres e domésticos, verifiquem se há carrapato. Caso encontre algum, retirá-lo com pinça e se sentir algum sintoma, procurar imediatamente uma unidade de saúde.

O parasita transmissor está presente em inúmeros animais como, por exemplo, cavalos, cachorros, gatos, gado, dentre outros. Entretanto a principal hospedeira dos carrapatos é a capivara.

Sintomas e tratamento

Os principais sintomas são febre acima de 39ºC e calafrios, dor de cabeça intensa, conjuntivite, náuseas e vômitos, diarreia e a dor abdominal, dor muscular constante, insônia e dificuldade para descansar, inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés, gangrena nos dedos e orelhas, paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando paragem respiratória.

O tratamento deve ser iniciado até cinco dias após o aparecimento dos sintomas, sendo, normalmente, feito com a ingestão de antibióticos. A falta de tratamento pode afetar o sistema nervoso central e causar encefalite, confusão mental, delírios, convulsões e coma.

Comentários
×