Divinópolis recebe “Os Incríveis” pelo Minas ao Luar

 

Da Redação

São 56 anos de estrada e muitos sucessos na bagagem. Um dos grupos de maior destaque da ‘Jovem Guarda’ e da música brasileira, Os Incríveis voltam a se apresentar pelo Minas ao Luar no próximo sábado, 8, às 20h, na Praça Nelson Pelegrino. Atração principal da noite, o grupo paulistano sobe ao palco depois dos divinopolitanos da banda Texas Radio.

Na ocasião, o Mesa Brasil Sesc, programa de segurança alimentar e nutricional, estará recebendo a doação voluntária de leite. Os donativos arrecadados serão destinados ao Complexo de Saúde São João de Deus. A entrada para o evento não está vinculada às doações.

O Minas ao Luar em Divinópolis é uma realização do Sesc em Minas em parceria com o Sindicato do Comércio de Divinópolis (Sincomércio), o Conselho das Mulheres Empreendedoras, a TV Integração e a Prefeitura.

Atrações

Fundado em 1963, com o nome de The Clevers, a banda já viveu algumas idas e vindas. Em cena desde 1965 como Os Incríveis, o grupo, que foi um dos grandes destaques da “Jovem Guarda”, na segunda metade da década de 1960, voltou aos estúdios em 2018 para mais um disco de músicas autorais, A paz é possível. O anterior havia sido lançado em 1981.

Texas Radio

A banda iniciou com o propósito de resgatar o country, o folk e o bluegrass. A proposta musical é reproduzir clássicos, bem como rearranjar músicas de outros estilos, trazendo-as para o universo folk e country. O grupo tem influências marcantes, como Johnny Cash, Bob Dylan, Beatles, Stones, Creedence, Alan Jackson, Rednex, além de bandas do cenário atual como The Lumineers, Munford and Sons, Old Crow Medicine Show e rearranjos de Amy Winehouse, Green Day, Offspring, Gorillaz, Sublime, Bob Marley.

Minas ao Luar

O Minas ao Luar é um projeto do Sesc em Minas de valorização da música brasileira e das culturas populares tradicionais, por meio de apresentações artísticas gratuitas e de qualidade, para toda a família,  e promove o diálogo e intercambio com as manifestações culturais tradicionais locais e as leituras contemporâneas.

 

Comentários
×