Divinópolis recebe apenas um delegado

Mesmo com a chegada de novos profissionais, déficit continua; expectativa é que situação melhore em 2020

Matheus Augusto

A Polícia Civil (PC) de Minas Gerais formou, na última quinta-feira, 79 delegados. Desses, sete foram destinados ao Centro-Oeste, sendo um para Divinópolis. Os novos profissionais da região integram o 7° Departamento da PC, que abriga cinco delegacias regionais (Divinópolis, Bom Despacho, Pará de Minas, Formiga e Nova Serrana), e foram apresentados ontem.

A distribuição dos delegados ficou definida assim: dois para Nova Serrana, um para Cláudio, um para Martinho Campos, um para Papagaios, um para Pitangui e um para Divinópolis. Destas cidades, Cláudio e Divinópolis são comandadas pela 1ª Delegacia Regional.

Cidade

O delegado regional, Leonardo Pio, conta agora com mais dois delegados.

— Trata-se de um processo de recomposição do efetivo de delegados na região. São dois novos profissionais que se apresentam motivados e sabedores do dever de prestar um serviço com eficiência para a sociedade mineira — explicou.

Ainda segundo Pio, a expectativa é que novas nomeações aconteçam no próximo ano.

— Hoje nós temos um déficit próximo de 43% do efetivo total. Com a chegada de uma delegada, a gente completa sete delegados na cidade, mas já há uma sinalização do Governo do Estado, uma tratativa direta do nosso chefe de Polícia, Wagner Pinto, para a nomeação dos excedentes do concurso público, cerca de 90 delegados de Polícia, que aguardam sua nomeação. Acreditamos que até o início do próximo ano essa designação aconteça e tenhamos a recomposição completa do efetivo para a cidade de Divinópolis e os municípios que integram a nossa Delegacia Regional — declarou.

Prioridades

Segundo o chefe do 7º departamento, Flávio Tadeu Destro, a distribuição dos profissionais teve como critério a necessidade de cada localidade.

— Os delegados serão distribuídos entre os municípios que hoje consideramos serem os mais carentes desse profissional. Após um estudo técnico, elaborado juntamente com a Superintendência de Investigações e Judiciária, foi identificado quais municípios tinham necessidade de designação imediata de profissionais, já que o déficit no estado é muito maior do que o número de delegados que se formaram agora na Academia de Polícia — explicou.

Ainda de acordo com Flávio, diante do número limitado de nomeações disponíveis, foram definidas prioridades. Ele citou, por exemplo, a nomeação de uma dos sete delegados para a Delegacia de Mulher em Nova Serrana, diante da necessidade em reforçar a repressão contra o feminicídio e a violência doméstica na cidade. Outra demanda apresentada, segundo o chefe do 7° departamento, foi a importância de nomear um delegado para Cláudio, que tinha o cargo vago desde fevereiro.

— Nas últimas reuniões que eu e os outros delegados regionais tivemos com a superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, Ana Cláudia Oliveira Perry, todas as demandas que foram apresentadas foram atendidas agora com a designação desses delegados. Não é possível atender tudo, então nós apresentamos as prioridades, que são exatamente essas que os delegados que estão chegando agora vão atender. A chefia foi muito sensível com a demanda apresentada pelo 7º Departamento e suas delegacias regionais — contou Flávio.

Déficit

Durante a apresentação dos novos membros da PC, Flávio Tadeu Destro ressaltou também a importância das nomeações para o Centro-Oeste.

— Nosso déficit é maior do que isso. Mas, certamente, esses sete novos delegados irão contribuir de forma muita significativa para as nossas atividades. É uma mão de obra que chega para agregar aquela que nós já possuímos, de forma que esse déficit vai ser minimizado fazendo com que nossas atividades sejam ainda mais eficazes — destacou.

Em discurso aos presentes, o chefe do 7° Departamento ainda destacou que os esforços estão sendo feitos para atender os municípios, de acordo com as prioridades, dentro da possibilidade financeira do Estado.

— Nós temos uma deficiência acentuada de profissionais no estado. Esta é uma realidade que todos nós temos conhecimento, assim como a chefia da PC e o Governo do Estado. Mas nós temos que ser realistas: o Estado atravessa um momento delicado no que tange à questão financeira. (...) Temos que ter consciência de que a demanda é grande, porém os recursos são limitados. Não podemos cobrar do Estado o que ele não pode nos fornecer — ressaltou.

Ele ainda afirmou que, à medida que o cenário econômico do país melhorar, as nomeações de profissionais e a abertura de novos concursos devem se tornar mais corriqueiras.

Em breve

Flávio Tadeu Destro também destacou que estão em formação na academia da Polícia Civil 322 investigadores e 119 escrivães, que devem ser designados para Divinópolis e região em breve.

Ele também aproveitou a oportunidade para parabenizar os esforços dos agentes que, mesmo com quadro de funcionários deficitário, não deixaram a situação se agravar e, inclusive, conseguiram reduzir os índices de criminalidade.

Ao fim da coletiva de apresentação dos novos membros da Polícia Civil, eles se reuniram com os delegados regionais presentes para, segundo Flávio Destro, alinhar o início das atividades.

Comentários
×