Divinópolis na rota das barragens

Anna Lúcia Silva

Divinópolis, abastecida quase em sua totalidade pela água do rio Itapecerica, está na rota das barragens. Segundo dados emitidos pela Agência Nacional de Mineração (ANM), no município há três barragens da Nacional Grafite, empresa localizada na comunidade de Água Limpa, às margens da MG-164. Duas delas são classificadas por dano potencial alto, o que significa alto poder de destruição, que acarreta em perda de vidas humanas e danos sociais, econômicos e ambientais, caso haja rompimento. Entretanto, o risco de rompimento é classificado como baixo.

A reportagem do Agora esteve em Itapecerica, onde realizou um breve mapeamento das barragens e ouviu moradores que evidenciaram o receio por ter, tão próximo de casa, barragens de alto dano potencial. Segundo dados da ANM, uma das barragens, a B4, possui mais de um milhão de metros cúbicos no seu volume atual. As outras são a B1, com mais de 55 mil metros cúbicos, e B2, com 798 mil metros cúbicos, ambas de alteamento a jusante, de acordo com relatório de fevereiro de 2019 da ANM, que traz ainda que as barragens B2 e B4 têm alto dano potencial associado.

— As pessoas estão realmente com muito receio e não poderia ser por menos, depois do que ocorreu em Brumadinho. Já houve muitas especulações e todos querem saber a situação destas daqui para ficarem mais tranquilos — destacou o morador da cidade, Rafael Santos.

ANM quer descondicionamento de barragens até 2021

A Agência Nacional de Mineração (ANM) quer propor uma resolução para acabar com todas as barragens a montante até 2021. Atualmente, há 84 barragens desse tipo em todo o Brasil, sendo que 43 são classificadas como de alto dano potencial.

Nacional de Grafite

Fundada em 1939, a Nacional Grafite beneficia minério, gerando cerca de 70.000 toneladas anuais de grafite de diferentes características.

Na unidade de Itapecerica, a empresa conta com um moderno centro de pesquisas e desenvolvimento com profissionais que atuam em diferentes setores localizados entre suas três barragens.

A empresa

De acordo com o posicionamento emitido por meio de uma nota, a Nacional Grafite esclarece que as barragens da empresa são de baixo risco de rompimento e destaca que é de suma necessidade tranquilizar a população local, assim como seus empregados, a respeito da situação técnica de suas barragens.

A empresa esclarece ainda que todas as estruturas, B1, B2 e B4, se encontram em situação de segurança de barragens, e que cumpre rigorosamente todas as obrigações periódicas determinadas pela Agência Nacional de Mineração e pela Superintendência Regional de Meio Ambiente.

A empresa informou também que as barragens são submetidas regularmente a inspeções técnicas, ocasiões em que são feitas leituras e interpretação de dados captados por aferição nos instrumentos instalados ao longo das barragens. Em tais ocasiões, segundo ela, profissionais treinados verificam também as condições físicas das estruturas para assegurar a inexistência de qualquer evidência de anomalias que possam prejudicar a necessária segurança.

Além disso, são realizadas semestralmente, de acordo com a Nacional Grafite, auditorias externas por empresas de reconhecida competência técnica em barragens, em âmbitos nacional e internacional. Nas ocasiões das auditorias, que se repetem há mais de 20 anos, nunca foi apontado qualquer aspecto negativo no que se refere à segurança estrutural e operacional das barragens, destacando-se que todas elas possuem declaração de condição de estabilidade assegurada por auditor externo.

Para maior garantia de segurança e cumprimento às normas legais, a Nacional de Grafite informou que estabeleceu plano de ações emergenciais para barragem de mineração, que foi, por determinação da lei, devidamente apresentado à prefeitura e à Defesa Civil municipal e estadual.

Por fim, a empresa destacou que as barragens B1 e B2 se encontram em processo de descaracterização, ou seja, já contam com dejetos que assoaram, deixando de acumular água, o que eliminará qualquer risco de rompimento.

Comentários
×