Divinópolis já tem mais de três mil notificações de dengue

 

Matheus Augusto

Apesar do clima ameno, a expectativa de queda nos números da dengue não tem se concretizado. Segundo os dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), na última quinta-feira, 30, a cidade já contabilizava 3.013 notificações. Desse total, 882 foram confirmados e 215 descartados; o restante continua em análise. Ou seja, neste ano, Divinópolis tem uma média de quase seis casos de dengue confirmados por dia.

Na semana passada, os números apontavam 2.522 notificações, das quais 735 já haviam sido confirmadas. Além disso, as mortes de dois idosos continuam sendo investigadas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), com suspeita de terem sido causadas pela picada do mosquito. Os números atualizados apresentam o surgimento de 491 notificações e 147 confirmações em apenas uma semana.

Dados

Em vez de manifestar melhora, o cenário em Divinópolis tem se agravado. Em maio, mês com a maior ocorrência de casos prováveis, a cidade registrou, de acordo com o relatório da SES, 1.273 notificações - número oito vezes maior do que todo o ano passado. Em abril, foram 851 ocorrências da doença registradas.

Para se ter ideia da gravidade do cenário na cidade, em todo o ano passado, a Semusa contabilizou 159 casos suspeitos e 77 confirmados.

Combate

Desde janeiro, a Semusa já alertava para um cenário preocupante. Desde então, a pasta deu continuidade aos mutirões de limpeza, além do adiantamento de diversas ações, como o “Dia D”. A Secretaria também implantou um ambulatório na Policlínica, para a hidratação de pacientes considerados não-graves.

LIRAa

Entre os dias 13 e 17 de maio, a Prefeitura realizou o segundo Levantamento de Índice Rápido do Aaedes aegypti (LIRAa) neste ano. Agentes de saúde visitaram 4.677 imóveis pela cidade. Segundo o levantamento, na região Central, todos os focos da dengue estavam em residências; nas regiões Oeste e Nordeste, 96% dos vetores foram encontrados em imóveis.

No geral, o LIRAa apontou um índice de infestação de 5,1%. De acordo com os parâmetros do Ministério da Saúde (MS), em cidades com índice superior a 4% há risco de surto de dengue; entre 1% e 3,9%, a situação é de alerta. O valor ideal é o índice de infestação menor do que 1%.

Em Divinópolis, de acordo com a SES, o mês com mais notificações até o momento foi maio, quando a cidade registrou 1.273. Em abril a situação já era preocupante, visto que a Semusa contabilizou 851 casos suspeitos.  

Minas Gerais

Em todo o estado a situação não é diferente. Segundo os dados da Secretaria de Estado de Minas (SES-MG), atualizados pela última vez na segunda-feira, a dengue já foi responsável pela morte de 65 pessoas; outros 113 casos fatais ainda estão sendo analisados.

O caso mais crítico nesses parâmetros é Uberlândia. A cidade já registrou 14 mortes. Betim e Belo Horizonte registraram 11 e nove casos, respectivamente. Em João Pinheiro, quatro pessoas perderam a vida pela dengue.

As cidades de Contagem, Frutal, Juiz de Fora, Passos, Uberaba, Unaí e Vazante tiveram duas mortes cada. Já os municípios de Arcos, Curvelo, Ibirité, João Monlevade, Lagoa da Prata, Martinho Campos, Monte Carmelo, Paracatu, Patos de Minas, Rio Paranaíba, Sacramento, São Gonçalo do Pará, São Gotardo registraram uma morte cada.

Em Minas Gerais, já são mais 341 mil casos prováveis de dengue, entre confirmações e suspeitas. Apenas em abril, foram 138.384 mil notificações. Após quatro meses de crescimento, pela primeira vez, o número de ocorrências deve cair em relação ao mês anterior.

O cenário, segundo a SES, é similar aos anos endêmicos, porém com menor intensidade do que em 2016 e 2013. Ainda de acordo com a classificação da pasta, Divinópolis tem incidência considerada como muita alta, sendo o maior índice.

Gripe

Ainda sobre saúde, outra tema importante é a vacinação contra a gripe. A partir de segunda-feira, todas as pessoas podem procurar as unidades de saúde para se imunizarem contra a influenza. Até ontem, apenas os grupos prioritários podiam receber a dose.

Em Divinópolis, segundo os dados atualizados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) na última quarta-feira, cerca de cinco mil pessoas ainda precisavam se vacinar para que o município imunizasse 90% dos grupos prioritários, meta estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS). Desde o início da campanha, mais de 50 mil pessoas se vacinaram. As crianças são, até o momento, o grupo com menor cobertura: 72,01%. 

 

 

Comentários
×