Divinópolis fica fora de programa de bases aéreas do Governo do Estado

Gisele Souto

O objetivo dos helicópteros modelo Esquilo é agilizar intervenções nas áreas de segurança pública e de saúde em Minas Gerais.  No entanto, o Território Oeste mais uma vez ficou fora das regiões contempladas pelo Estado.

O governador Fernando Pimentel (PT) anunciou, na semana passada, a criação de bases aéreas nos municípios de Governador Valadares (Território Vale do Rio Doce) e Uberaba (Território Triângulo Sul), que já possui uma, além da ampliação da base aérea de Montes Claros (Território Norte). 

A instalação das bases compõe a estratégia de ampliação da cobertura da malha aérea do estado de Minas Gerais, seguindo o conceito multimissão, em que as aeronaves cobrem determinada região do estado com serviços nas áreas de segurança pública, atendimento de emergências de saúde, transporte de órgãos, resgates, prevenção e combate a incêndios, entre outros serviços.

De fora

O Território Oeste ficou fora mesmo sendo considerado extenso e com grandes necessidades na área de segurança pública. É uma região com muitos registros de explosões de caixas eletrônicos, com os bandidos se refugiando em matas de difícil acesso. Além disso, registra graves acidentes rodovias. Isso porque as cidades de Montes Claros e Uberaba terão o atendimento ampliado.

Divinópolis, a maior cidade do Oeste e outros municípios com grandes demandas, como Nova Serrana e Formiga, não possuem nenhuma. 

A resposta

Por meio da Assessoria de Comunicação do Corpo de Bombeiros, o Estado respondeu que o Território Oeste conta com as aeronaves do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), que realiza atendimento efetivo às demandas da região. Ainda segundo a assessoria, o Governo de Minas Gerais, por meio do Corpo de Bombeiros, está desenvolvendo um projeto para implantação de novos Postos Avançados de Atendimento em vários municípios e, até dezembro deste ano, um posto será instalado em Bom Despacho. A ideia, de acordo com as informações, é expandir para vários outros municípios do Território Oeste.

Dessa forma, de acordo com o Estado, o governo segue ampliando e reforçando o atendimento do CBMMG para todo o estado.

Com relação às bases aéreas, ainda conforme a assessoria, a corporação segue “rigorosamente” planejamentos e estudos que consideram, entre outros critérios, o Índice de Vulnerabilidade ao Risco (IVR), além de fatores estratégicos e logísticos, que viabilizam a otimização do tempo resposta, “primando pela excelência nos atendimentos em todo o estado”. 

 

 

Comentários
×