Divinópolis fecha oportunidades de emprego no setor de vestuário

Pablo Santos

O monitoramento do desempenho do setor do vestuário de Divinópolis realizou levantamento do salário e números de vagas do setor. A pesquisa é coordenada pelo Núcleo de Pesquisas do Vestuário (Nupev) do Centro Federal de Educação Tecnológica de Divinópolis. Polo divinopolitano cortou mais oportunidades formais em comparação com outras cidades especializadas em produção de roupas. 

Conforme o levantamento baseado nos dados do Ministério da Economia, considerando o salário médio e o saldo de empregos no segmento do mês de setembro, o maior salário médio pago no segmento foi para o cargo de designer de moda: R$ 1.804,20.

Vagas

Em relação ao maior volume de empregos com carteira assinada, ficou com os cargos de costureiro, a máquina na confecção em série: 75 empregos no período de janeiro a setembro de 2019.

Considerando somente setembro, o cargo de arrematadeira teve o melhor saldo de empregos: 13 admissões e quatro desligamentos durante o mês, ou seja, saldo de nove vagas formais criadas.

No acumulado do ano, costureiro na confecção em série registrou o pior desempenho: 26 oportunidades fechadas até setembro, apontou a pesquisa do Nupev.

Já quando se analisa somente o setembro, o cargo de alimentador de linha de produção registrou sete vagas encerradas no acumulado do ano.

2019

No acumulado do ano, foram criadas na cidade 93 vagas no setor do vestuário. Apesar do saldo positivo no ano, a cidade fechou em setembro 16 vagas de emprego formal.

Outra cidade analisada pelos pesquisadores foi Formiga. A cidade vizinha também encerou oportunidades formais: 15. 

Em setembro, a cidade de Muriaé na Zona da Mata foi o polo confeccionista com maior volume de vagas abertas somando 20. Belo Horizonte somou 19 e Juiz de Fora criou outras 17 oportunidades.

Comentários
×