Divinópolis fecha abril com saldo negativo de empregos

Após 41 dias na onda roxa, cidade registra aumento nas demissões

Da Redação

Nos três primeiros meses de 2021, a economia divinopolitana esboçou uma reação na geração de empregos formais, registrando 195 vagas em janeiro, 609 em fevereiro e 225 em março. No mês de abril, Divinópolis obteve resultado negativo, com 208 postos a menos, é o que aponta relatório do instituto Vitaltec, apresentado à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Divinópolis, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

O resultado para o mercado de trabalho do município já era esperado, uma vez que desde março a taxa de crescimento do número de admitidos já apresentava declínio, reflexo dos mais de 40 dias que a cidade esteve na onda roxa do plano Minas Consciente, entre 13 de março e 24 de abril. 

Setores

Outro indicativo do enfraquecimento da dinâmica do mercado de trabalho na cidade foram os quatro setores econômicos que apresentaram retração na geração de postos de trabalho em abril, foram eles: comércio, -151; serviços, -71; agropecuária, -27; e indústria, -4. 

Saldo negativo

Apesar de o número de demissões ter sido, em abril, menor que o mês de março, a quantidade caiu consideravelmente, registrando, assim, saldo negativo na criação de empregos no mês.

— Essa movimentação indica insegurança dos empregadores para contratar novos funcionários, devido à pandemia. A instabilidade do momento de crise gera incertezas quanto ao futuro dos negócios — analisa o economista da Vitaltec Leandro Maia. 

Impacto da pandemia

Traçando um histórico do emprego em Divinópolis do ano anterior à pandemia até o momento atual, percebe-se um grande impacto negativo em decorrência da crise e das restrições de funcionamento das atividades econômicas.

Em 2019, a cidade registrou um saldo negativo de 361 empregos. Já em 2020 foram 505 postos formais a menos, de acordo com os dados do Caged.

2020

O ano passado começou com uma visão otimista da economia, registrando uma melhora no mercado, com aumento do número de admissões. No entanto, com a pandemia depois de fevereiro, o município acumulou quatro meses seguidos de demissões acima do número de admissões.

Somente no mês de abril foram eliminados 1.586 postos de trabalho, sendo 815 admissões e 2.401 demissões ‒ período em que o comércio ficou fechado por mais de 20 dias ininterruptos e, posteriormente, com funcionamento sob escala, de acordo com o ramo.

Entre os meses de março e junho, período crucial da pandemia, o impacto foi grande e Divinópolis totalizou 2.881 vagas de emprego perdidas. O comércio varejista foi o mais afetado: o setor registrou um saldo negativo de 1.001 postos de trabalho formais no período.

Após o mês de junho, o número de admissões passou a superar as demissões. E, depois de registrar cinco meses consecutivos de saldos positivos na criação de trabalho formal, dezembro teve saldo negativo novamente ‒ fechando 2020 com saldo expressivo de 505 vagas a menos no mercado.

Já nos primeiros três primeiros meses de 2021 foi registrado saldo positivo nos postos de emprego, e em abril o saldo foi negativo.

 

Comentários
×