Divinópolis está fora da lista de emergência por febre amarela

 

Rafael Camargos

 Com 22 casos de febre amarela confirmados, 15 mortes confirmadas e uma ainda em investigação, Minas Gerais decretou emergência em 94 municípios. A medida é valida por 180 dias e abrange as regiões de Belo Horizonte, Itabira (região central) e Ponte Nova (na Zona da Mata). Nenhum município da região Centro-Oeste entrou na medida, apesar de ter sido confirmada uma morte em Carmo da Mata, a 52,9 quilômetros de Divinópolis, que está fora da lista e ainda não corre risco com a doença. A medida foi publicada no diário oficial do Estado.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), a central de imunização conta com 3,1 mil doses disponíveis nas unidades de saúde. Segundo a pasta, a quantidade de doses é suficiente para vacinar as pessoas que ainda não receberam a medicação.

— Na central de distribuição temos 3,1 mil doses, mas as unidades de saúde estão todas abastecidas. A quantidade que temos atende a toda a população. A febre amarela já se tornou uma rotina, já que não temos nenhum caso registrado na cidade — informou a Semusa.

Ainda conforme a secretaria, nos próximos dias serão realizadas ações de conscientização.

Intensificando

A partir da próxima segunda-feira, 29, as salas de vacinas ficarão abertas até às 19h. De acordo com a supervisora de Atenção Primária à Saúde, Michelle Pereira Braz, a medida vale até o dia 2 de fevereiro.

A mudança foi feita para atender aos trabalhadores dos bairros São José, Centro, Nações, Nossa Senhora das Graças, Bom Pastor e Niterói e também às Estratégias de Saúde da Família (EFS) Tietê e de Ermida, cujos atendidos não podem ir às unidades em horário comercial.

— Nesses dias as unidades disponibilizarão não só a vacina contra febre amarela, mas todas as outras do calendário, completando o cartão — comentou.

Quem tem entre nove meses e 59 anos pode receber a vacina. Gestantes e idosos com mais de 60 anos são imunizados somente com a comprovação de deslocamento para áreas de risco.

Comunidades rurais

 Apesar de não terem chegado a Divinópolis, os casos de febre amarela são vistos com maior frequência nas comunidades rurais. Por isso o trabalho ocorre de forma intensiva.

Outro fator a ser levado em consideração é a falta de informação de quem mora na região. Na cidade, 38 estão cadastradas no Sistema Único de Saúde (SUS). Ao todo, de acordo com a Semusa, 5.315 pessoas são atendidas.

 

Comentários
×