Divinópolis e Itapecerica buscam acordo para vacina contra covid

Prefeito Wirley Rodrigues sobre decisão: “Não podemos aguardar o governo federal”; Divinópolis chega a 94 mortes

Matheus Augusto

Enquanto a vacina contra a covid-19 não chega ao Brasil, as vidas perdidas pela doença continuam a crescer. No país,   191 mil pessoas não resistiram à infecção; em Divinópolis, 94 ‒ três mortes confirmadas apenas ontem. Enquanto o governo federal e de Minas Gerais preveem o início da vacinação em janeiro e avaliam a data como flexível, prefeitos e demais governadores demonstram interesse em antecipar esse período. Divinópolis e Itapecerica são algumas.

Divinópolis

Em nota, a Prefeitura informou que “reafirmou hoje (ontem) as negociações no sentido de garantir a compra de vacina para o covid-19”.  Ainda segundo a atual administração, as negociações com o Instituto Butantan, de São Paulo, foram iniciadas pelo ex-secretário de Saúde, Amarildo Sousa, em conformidade com o plano de enfrentamento municipal.

— No ofício encaminhado ao diretor do instituto, Dimas Tadeu Covas, o prefeito Galileu Machado (MDB) solicitou informações sobre a capacidade do Butantan em disponibilizar imunobiológicos suficientes para a vacinação de toda a população — explicou.

A gestão ainda informou ter questionado qual seria a previsão de entrega das vacinas. “No documento, a Administração destaca que a instituição é a principal produtora de antígenos vacinais do país.”

Ano novo

“Decidimos (...) não somente aguardar as diretrizes do governo federal.” Assim o prefeito Wirley Rodrigues Reis, conhecido como Têko, anunciou a “importante notícia” aos itapecericanos. Reeleito com 81,51% do votos, ele publicou em suas redes sociais que a Prefeitura iniciou o processo para adquirir as vacinas produzidas em São Paulo.

— A Prefeitura, preocupada com o andamento do processo de distribuição da vacina, da implementação e efetividade do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19, já iniciou as tratativas com o Instituto Butantan, dando o primeiro passo para a formalização do Termo de Interesse, pelo qual o Município oficializa a intenção de adquirir, com recursos próprios, doses da vacina para imunização, prioritariamente, dos grupos de risco — explicou.

Ainda segundo o comunicado, o Executivo também aguarda os avanços e a disponibilidade de vacinas pelo governo federal.

— Obviamente o Município também irá acompanhar e executar todo o processo de implementação das fases de imunização a ser proposto pelo Ministério da Saúde, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) — ressaltou.

Porém, sem previsão concreta do início da imunização, o prefeito viu como necessário não apenas aguardar a disponibilidade do órgão.

— Visando resguardar a nossa população, especialmente os itapecericanos que fazem parte dos grupos de risco, e após analisar a viabilidade econômica e o interesse público, decidimos dar mais esse passo e não somente aguardar as diretrizes do Governo Federal — comentou.

Por fim, o prefeito Wirley afirma que a responsabilidade envolve todos os setores da sociedade e, principalmente, o poder público ‒ responsável por avaliar todas as alternativas.

— (...) faz-se necessária uma conduta de ousadia, pois a saúde deve ser tratada como prioridade absoluta. Também é fundamental um sentimento de confiança e de fé para, juntos, lutarmos pelo retorno da vida em sociedade como outrora, com a esperança de que o novo ano que já vai se iniciar será de vitória e de renovação — finaliza.

Divinopolitano é o 1°

Enquanto, o Brasil, Minas Gerais e Divinópolis ainda buscam uma forma de vacinar sua população, o divinopolitano Edson Nogueira, médico clínico geral e endocrinologista  de 44 anos, que mora atualmente em Londres, foi um dos primeiros a receber a vacina contra a Covid-19.  Ele que mora em Londres há 12 anos, também foi o primeiro mineiro a ser imunizado contra o vírus.

Segundo o médico, já na primeira dosagem é marcada uma outra data para que o paciente receba a segunda, que geralmente ocorre em 21 dias.

Comentários
×