Diretoria do Floramar investiga princípio de motim

 

 

Gisele Souto 

A direção do presídio Floramar, em Divinópolis, abriu investigação para apurar um início motim registrado na noite da última quinta-feira, 16, por volta das 23h, em duas alas da unidade prisional. Agentes de segurança controlaram a confusão, onde presos colocaram fogo em objetos e os jogaram no pátio.

Durante a contenção, houve a necessidade do uso de munição menos letal. Um dos detentos foi atingido e levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas já retornou para a unidade.

De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Prisional (Seap), o presídio contou com o apoio das unidades prisionais de Formiga e Pará de Minas para a realização de uma vistoria nas celas e segue sua rotina.

Informou ainda que a direção da unidade abriu um procedimento preliminar de investigação para apurar administrativamente o ocorrido e avaliar possíveis danos ao patrimônio.

Sobre a superlotação do presídio, atualmente com aproximadamente 700 presos para 237 vagas, a Seap informou que esse não é um problema exclusivo do Floramar nem do estado de Minas Gerais, e sim, uma realidade nacional.

 

 

Comentários
×