Dinheiro economizado por vereadores pode ser destinado para cirurgias eletivas

Solicitação é do presidente da Câmara; cerca de R$ 800 mil foram devolvidos ao Executivo

 

Bruno Bueno

O valor economizado pelos vereadores e devolvido para a Prefeitura neste ano pode ter como destino as cirurgias eletivas. Pelo menos é o que solicita o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Print Júnior (PSDB), que, em entrevista ao Agora na tarde de ontem, sugeriu a aplicação dos recursos no valor de R$ 800 mil para esse fim.

A afirmação foi concedida durante o balanço anual do Legislativo. Print Júnior deu mais detalhes do seu primeiro ano como presidente da Casa. Os 365 dias iniciais, segundo ele, foram positivos.

 

Economia

O vereador destacou a economia de recursos que foram devolvidos ao Executivo. Conforme o político, o trabalho dos colegas parlamentares foi essencial para conseguir o resultado.

— A população escolheu bem seus candidatos. Nós, 17 vereadores, temos a honra de finalizar 2021 e dizer que trabalhamos muito. É a legislatura que mais apresentou projetos de lei, indicações, moções e requerimentos. Também conseguimos a maior economia dos últimos anos, com R$ 800 mil devolvidos ao Executivo. Consideramos um ano bastante positivo — disse.

As economias não param por aí. De acordo com Print, o corte de gastos com aparelhos eletrônicos foi essencial para promover a redução.

— Outro ponto positivo são os tablets. Nossa votação é ligada a uma plataforma disponibilizada pelo Senado Federal e ao E-Democracia, onde a população pode acompanhar os votos dos vereadores on-line. Além disso, nós tiramos um painel que era alugado por R$ 72 mil ao ano e compramos um que nos custou R$ 25 mil. Uma economia de quase R$ 50 mil — afirmou.

 

Conscientização

O impacto da covid-19 e a consciência dos vereadores foram um dos motivos que promoveram, na opinião de Print, a grande economia do Legislativo.

— (...) A conscientização também partiu dos gabinetes. Um ponto que também é importante diz respeito aos salários dos vereadores, que sofreram uma redução de R$ 10 mil para R$ 7 mil ou R$ 8 mil, se não me engano. Tudo isso impacta no resultado positivo final que era economizar — relatou.

Os gastos de gabinete dos vereadores também foram destacados pelo presidente. Segundo ele, as despesas são necessárias e não devem ser tratadas e discutidas como algo importante.

— Eu não considero como gastos. Todo serviço exige uma compra mínima de trabalho. (...) O vereador tem papel, caneta, toner e outros. Alguns parlamentares usufruem do que a Câmara fornece, outros preferem gastar do próprio bolso. Não é uma coisa que vai mudar o curso do sol. Não acredito que seja uma discussão tão importante. O que tem que ser levado em consideração é que eles reduziram os gastos como puderam — enfatizou.

 

2022

Mesmo com os pontos positivos, Print relata que está preocupado com os gastos da Prefeitura para o próximo ano.  

— 2022 a gente tem uma preocupação maior já que neste ano não foi concedido o gatilho. Esses R$ 800 mil, no ano que vem, podem ser transformado em R$ 0. Nós temos uma preocupação de que o trabalho não diminua o ritmo para que as economias sejam realizadas — concluiu.

 

Dados

Segundo informações da Diretoria de Comunicação da Câmara, cerca de 80 reuniões ordinárias, cinco extraordinárias, 14 especiais e uma solene foram realizadas durante o ano. Os vereadores apresentaram 240 Projetos de Lei, três decretos Legislativos, três propostas de emenda à Lei Orgânica Municipal, 157 emendas e nove subemendas.

Os vereadores também apresentaram 2.057 indicações, 521 requerimentos e 1.066 moções. 128 Projetos de Lei, 10 vetos e 14 mensagens modificativas foram tramitadas pelo Executivo. 

 

Recesso

Os vereadores encerraram os trabalhos legislativos neste ano no último dia 15. Em recesso das reuniões ordinárias, eles ainda podem realizar a fiscalização e enviar ofícios para o Executivo e outras entidades. Os encontros, que ocorrem duas vezes na semana, voltam em fevereiro.

Comentários
×