Desenho animado é coisa de criança?

Maria Tereza Oliveira

Que animações são os conteúdos audiovisuais favoritos das crianças não há surpresa. Todo mundo que for recordar de seus programas favoritos ou filmes da infância provavelmente incluirá desenhos animados em suas listas. É natural que a forma mais lúdica e livre das amarras impostas pelo estilo live-action tragam mais fascínio por parte dos pequeninos. Mas o estilo não se prende apenas ao público mais jovem. Não são raras as pessoas adultas que ainda se encantam e consomem produções em animações, incluindo esta que vos fala. 

Com um público crescente, não demorou muito para que a indústria apostasse em animações voltadas para adultos. Esses desenhos animados normalmente contam com temas mais complexos, críticas à sociedade, humor ácido, dentre outros. Hoje temos inúmeras animações para adultos, mas ainda existe o preconceito com este tipo de obra.

Animes na frente

Não se sabe se o pioneiro em fazer animações adultas foi a indústria dos animes, mas, ao menos, os primeiros a se popularizarem foram as animações japonesas. Mesmo ainda sendo mais conhecidas entre crianças e adolescentes, as séries dos animes costumam contar com temas mais sérios há várias décadas. 

Contudo, foi com Studio Ghibli, o mais popular e conceituado estúdio de animações japonesas, que as animações adultas ganharam de vez a atenção do mundo. Sim, o Studio Ghibli tem, na maioria de seu catálogo, filmes infantis ‒ mesmo sem abandonar as referências adultas ‒, mas foi lançado "O Túmulo dos Vagalumes", em 1988, o estúdio deixou claro que nem todas as animações são infantis. O filme é extremamente lindo, triste e realista ao retratar os horrores da 2ª Guerra por meio da vivência de dois irmãos japoneses.

Poucos anos depois veio outro grande sucesso: "Ghost In The Shell - O Fantasma do Futuro" (1995), lançado desta vez pela Bandai Visual. O filme trata-se de uma história futurística passada em 2029. A trama cyberpunk influenciou inúmeros filmes de live-action, inclusive "Matrix" (1999). Em 2018, Hollywood fez sua versão em live-action de "Ghost In The Shell", mas o filme não agradou o público ou a crítica. Ambos, em sua maioria, preferem a versão animada da história.

Entre as séries de anime, exemplos populares não faltam. Desde "Neon Genesis Evangelion" (1995 - 1996) ‒ que a princípio parece se tratar de um simples anime com robôs gigantes até se transformar em uma história filosófica sobre o sentido da vida e a humanidade ‒ a "Death Note" (2003 - 2006) ‒ que discute temas como pena de morte, fazer justiça com as próprias mãos ou a síndrome de querer ser deus ‒, apesar dos traços parecidos com os animes infantis como "Pokémon" (1995 - hoje), as temáticas nada se assemelham à inocente busca para se tornar um mestre pokémon.

Por que não fazer em live-action?

Assim como o exemplo citado de "Ghost In The Shell" essas obras, mesmo sendo para adultos, aproveitam ao máximo a linguagem da animação, e a transformação em live-action, em sua maioria, mostra-se desastrosa. Antes de “O fantasma de amanhã”, a Netflix tentou e fracassou em adaptar um desses clássicos animes adultos. O resultado foi o filme deplorável "Death Note" (2017) que, mesmo com um elenco talentoso, como Willem Dafoe e Natt Wolff, não conseguiu ser nem ao menos um eco da versão em anime.

Comédia

Outro gênero em que a animação adulta brilha é na comédia. Talvez o maior exemplo de sucesso seja "Os Simpsons" (1989 - hoje), mas, além da família mais nonsense da TV, há várias animações adultas famosas. Desde o saudoso "Fudêncio e seus amigos" (2005 - 2011), passando pela polêmica "American Dad" (2005 - hoje), sem esquecer das crianças politicamente incorretas do "South Park" (1997 - hoje), as sitcoms são o ponto forte do formato...

Outras animações recentes premiadas são "BoJack Horseman" (2014 - 2020), "Rick and Morty" (2013 - hoje), "Big Mouth" (2017 - hoje), dentre outras.

Agora que você já tem algumas indicações, que tal deixar o preconceito de lado e assistir um desenho?

Maria Tereza Oliveira é jornalista e apaixonada por cinema

Comentários
×