Descumprimento de medidas restritivas impede onda roxa

Dezenas de pessoas têm driblado a fiscalização, atrapalhando o bom andamento do decreto; lojas abrem mesmo não sendo essenciais

Bruno Bueno

O decreto 14.263/2021, em vigor desde o último domingo, 14, classificou Divinópolis na onda roxa do programa Minas Consciente e restringiu diversas atividades na cidade durante duas semanas. Estabelecimentos não essenciais foram impedidos de funcionar, e a utilização de praças públicas, bem como a prática de exercícios ao ar livre, foram proibidas, regras confirmadas ontem também por decreto do governador Romeu Zema que colocou todo o estado na onda mais restritiva do programa.

Contudo, o que tem se observado nos últimos dias é o descumprimento de diversas normas impostas no decreto. Alguns comércios, proibidos de funcionar, estão abrindo clandestinamente. Praças públicas e outros locais para a prática de exercício, como a pista de cooper da rua Pitangui, estão sendo utilizadas. E o mais arriscado: muita gente sem máscara. O transporte público da cidade, que teve redução no quadro de horários, também registra aglomerações. Além disso, a reportagem encontrou diversas pessoas andando desprotegidas pelas ruas centrais da cidade, o que também é proibido pelo decreto. 

Todos esses descumprimentos estão impedindo o bom funcionamento da onda roxa na cidade, que ainda se encontra num colapso por causa da falta de leitos.

Clandestinos

Conforme apurou a reportagem do Agora, alguns estabelecimentos da cidade, que são proibidos de funcionar, estão abrindo clandestinamente. Basta dar uma volta e ter olhos mais atentos. 

Segundo fontes que preferem não se identificar, proprietários de salões de beleza estão recebendo clientes em seus estabelecimentos de porta fechada. Além disso, diversas lojas no Centro da cidade e em bairros também estão funcionando totalmente ou meia porta. Em bares, há pessoas nas portas bebendo bebidas alcoólicas, próximas umas das outras e sem máscara. 

Vale ressaltar que, em março do ano passado, durante o primeiro fechamento do comércio, um dono de um bar, localizado no bairro Bom Pastor, foi multado em R$ 8 mil por descumprir as medidas restritivas de funcionamento em Divinópolis. No decreto atual, a multa, segundo a Prefeitura, varia entre R$ 833 e R$ 83 mil. 

Rua Pitangui

A situação na rua Pitangui, local destinado para a prática de exercícios físicos, também é preocupante. Impedida de funcionar durante o lockdown, a via pública está sendo utilizada frequentemente por pedestres e ciclistas. 

A reportagem foi ao local e presenciou, além do descumprimento das ordens impostas na onda roxa, um veículo da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Segurança Pública (Settrans), juntamente com profissionais em  serviço, que, mesmo observando a presença das pessoas irregularmente, não impediu as atividades físicas.

Sem máscara

Outra situação preocupante na cidade é a falta do uso da máscara facial. Mesmo sendo decretado que é proibido sair sem a utilização do equipamento de proteção, a reportagem observou, em diversos pontos da cidade, o descumprimento da norma. 

Salienta-se que a Prefeitura estipulou uma multa de R$ 83,33 para quem não estiver utilizando o acessório. O valor pode ser dobrado ou triplicado em caso de reincidência, porém, até o momento, não se teve notícia de alguma aplicação na cidade.

Transporte coletivo

A desobediência na abertura de empresas que não são permitidas e as diversas idas a passeio no Centro da cidade, têm resultado na lotação do transporte público. A Prefeitura solicitou ao consórcio responsável a diminuição  da frota para reduzir a aglomeração, mas o efeito tem sido contrário devido à quantidade de gente que tem saído de casa. 

Com grande número de pessoas, principalmente nos horários de pico, os ônibus da cidade têm tido aglomerações. 

Para tentar resolver a situação, o consórcio realizou um acréscimo de horários em algumas frotas da cidade. As linhas 04, 07, 10, 11, 14, 16, 17, 19, 20, 21, 26, 27 e 32 foram alteradas.

Polícia Militar

A Polícia Militar, por meio da assessoria de comunicação da 7ª Região, explicou  o que tem sido feito pela corporação no combate aos descumprimentos.

— Naquilo que couber, no aspecto criminal, a PM estará adotando providências, visando que as recomendações impostas pela necessidade do momento sejam cumpridas. Além da fiscalização, estamos trabalhando a conscientização através de orientações no sentido de evitar aglomerações e observar os protocolos sanitários — disse.

Prefeitura

Questionada pela reportagem sobre ações para combater o descumprimento das normas impostas no decreto 14.263/2021, a Prefeitura, também por meio de sua assessoria, respondeu o seguinte:

— A Vigilância Sanitária e Polícia Militar estão trabalhando intensamente nos três turnos, orientando, fiscalizando e inflacionando quando necessário, porém, é humanamente impossível estar em todos os locais ao mesmo tempo — explica.

 











Coment√°rios
×