Defesa Civil recomenda atenção com chuvas

Da Redação

As chuvas continuam neste mês de dezembro e, com isso, é preciso tomar cuidados. Quem passa pelo rio Itapecerica percebe que o volume de água aumentou, mas ainda está longe de oferecer perigo, como registrado em anos anteriores. Durante toda à tarde, a reportagem tentou contato com a Defesa Civil em Divinópolis para saber os níveis dos rios Itapecerica e Pará, e a situação das áreas de risco em Divinópolis, porém as ligações não foram atendidas e nem retornadas. A assessoria de comunicação da Prefeitura também não conseguiu contato com os responsáveis pelo órgão na cidade.

Previsão

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura mínima hoje pode chegar aos 15ºC, e a máxima a 35ºC. O dia deve amanhecer nublado, com pancadas de chuvas e trovoadas isoladas durante o resto do dia.

As chuvas voltam com força a Divinópolis, conforme o Inmet, apenas no sábado, 25, quando a mínima prevista é de 20ºC e a máxima de 30ºC. Amanhã, a previsão é de céu nublado e, na sexta, 24, apenas chuviscos.

Orientação

Aos mineiros, o coordenador-adjunto da Defesa Civil no estado, tenente-coronel Flávio Godinho, recomenda atenção aos sinais de possíveis danos na estrutura de seus imóveis.

— As pessoas, em qualquer indício de barulho na construção ou mesmo trincas, rachaduras ou mudanças no solo, devem, imediatamente, abandonar a residência, discar 193, do Corpo de Bombeiros, e discar 199, da Defesa Civil, para que possamos ofertar o que de melhor temos para salvar a vida das pessoas — orienta.

Ainda segundo o coordenador, não se deve transitar em locais alagados.

— As pessoas não devem se aventurar em inundações, alagamentos, porque nós temos bueiros abertos, galerias abertas, e quando se aventura a atravessar estas áreas, mesmo que a pé ou em seu veículo particular, podem ser surpreendidas pelo movimento da água e ser puxadas para esses locais — destacou.

Estado

Em Minas Gerais, a situação é de alerta. Conforme o boletim estadual de proteção e defesa civil, divulgado ontem, dois município decretaram situação de emergência em razão das chuvas, e outros 48 em razão das secas/estiagens, e nenhum estado de calamidade pública.

Apesar do baixo número de cidades afetadas, 11 pessoas já morreram desde o dia 22 de outubro do ano passado em decorrência das chuvas. As idades das vítimas variam de 17 a 60 anos.

A única ocorrência com fatalidade neste ano foi no dia 1º, quando duas mulheres, de 17 e 39 anos, e um homem, 45, morreram em Guapé, após uma intensa chuva.

— As vítimas estavam na cidade a passeio e banhando-se em uma cachoeira no Parque Ecológico do Paredão na cidade de Guapé, no sul de Minas. Após intensa chuva na cabeceira do rio, ocorreu um fenômeno chamado cabeça d’água, provocando o súbito aumento do volume de águas da cachoeira. Várias pessoas que se recreavam na Cachoeira do Paredão foram atingidas, sendo que três da mesma família foram arrastadas pela água e morreram em virtude do evento — explicou a Defesa Civil.

Comentários
×