De vilão a herói

 

 Mesmo que aconteça uma reviravolta na história e o uruguaio Giorgian De Arrascaeta se acerte com a diretoria celeste e cumpra seu contrato, ainda vai demorar um bom tempo para a torcida perdoá-lo do que vem acontecendo neste início de ano. Não importa se ele tem ou não culpa no cartório, a verdade é que o moço pisou feio na bola, foi de herói a vilão em questão de semanas, dias.

 O herói

 No final da Copa do Brasil do ano passado, quando Arrascaeta passou a noite em um voo, vindo do exterior e indo direto para São Paulo, para participar da decisão contra o Corinthians, ele foi carregado nos braços da China Azul ao marcar o gol que deu a vitória por 2 a 1 sobre os paulistas e o hexacampeonato do torneio aos mineiros.

 O vilão

 Agora em 2019, a história se inverte. Seduzido pelo salário três vezes maior (oferecido pelo Flamengo, do Rio de Janeiro) e convencido por seu empresário, Daniel Fonseca, que quer lucrar com uma negociação, o uruguaio enfiou os pés pelas mãos e jogou no lixo toda a bonita história que construiu defendendo a camisa do Cruzeiro.

 Tem culpa

 E nem adianta o jogador colocar a culpa em terceiros, se fazer de vítima. Sua obrigação era se apresentar, treinar normalmente e esperar que, nos bastidores, se definisse a situação, com sua venda para qualquer outro clube ou permanência em Belo Horizonte. Cumprir com o que assinou em contrato era o seu único dever. Não fez isso e agora terá que pagar o preço, arcar com as consequências.

 Onde há fumaça...

 Quando o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado, deu entrevistas criticando o empresário Daniel Fonseca, muitas pessoas ficaram com os pés atrás, não acreditando que o ‘cara’ era tudo que o dirigente falava. Mas não é que agora se comprovam suas palavras, o tal de empresário é até pior do que se poderia imaginar. São inúmeras as denúncias contra ele, de clubes e jogadores a quem ele ‘passou a perna’.

 Flamengo terá que se explicar

 Gente que vive pela lei de Gerson, principalmente no futebol, onde o que interessa é levar vantagem é que o mais se vê nos tempos atuais. Aprontam na maior cara de pau e depois ainda tentam dar uma de santinhos. Mas chegará um dia em que todos terão que arcar com as conseqüências e assumir a culpa pelos seus atos.

 Pisou na bola

 E neste caso envolvendo Cruzeiro/Arrascaeta/Empresário/ Flamengo, o rubro-negro carioca pisou sim na bola e feio. Pode até ser legal oferecer um salário maior a quem já tem compromisso com outro clube, mas é acima de tudo imoral. Ao ir ao Uruguai e seduzir o empresário de Arrascaeta com um salário três vezes maior do que o Cruzeiro paga, o time carioca ultrapassou o limite do razoável. Quebrou uma regra não escrita que existe do futebol brasileiro (e até mundial) que é a de respeitar atletas em contrato com outros clubes.

 Na justiça

 Agora o Cruzeiro entra na justiça contra o Flamengo por aliciamento de jogador. Pode até não dar em nada no Brasil, mas na Fifa os cariocas terão que se explicar. O que virá disto ninguém pode falar, mas seja qual for o resultado, o clube carioca terá muito a perder. Pode até não ser punido agora, mas no futuro não escapa.

É pagar para ver...

Comentários
×