De nove municípios, Divinópolis tem menor número de contaminados

Boletim estadual aponta a cidade com índices estáveis em comparação a localidades do mesmo porte

Da Redação

Os números do coronavírus em Divinópolis continuam crescendo. Mesmo com o aumento, porém, a cidade tem se mantido atrás de outros municípios de porte similar à “Princesinha do Oeste”. E, conforme análise do governo de Minas, os dados no estado indicam estabilização da doença, mas ainda considera cedo para apontar queda na curva. 

Em meio ao início da redução, Divinópolis anunciou mudanças no funcionamento do comércio. 

Números

Dos nove municípios com população entre 200 e 500 mil em Minas Gerais, Divinópolis tem o menor número de casos confirmados. O boletim divulgado ontem pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) aponta a cidade com 583 casos confirmados e 20 mortes, no entanto, outros dois óbitos já foram confirmados pela Prefeitura, somando 22. A cidade também tem o quarto menor número de mortos em relação aos outros oito municípios.

Ipatinga e Governador Valadares lideram a lista, com 86 mortes cada, e 5.367 e 3.634 confirmações, respectivamente. Logo atrás vem Betim, com 83 óbitos e 2.294 testes positivos. A lista segue com Uberaba (1.548 casos e 53 mortes) e Ribeirão das Neves (2.054 e 48). 

Montes Claros aparece com 19 mortes e 1.323 confirmações. Santa Luzia e Sete Lagoas encerram a lista, com 1.023 e 737 casos confirmados, bem como 18 e 17 óbitos, respectivamente.

Novas regras

Em live na última terça-feira, 28, o secretário municipal de Saúde, Amarildo Sousa, falou sobre a importância do respeito ao isolamento social.

— A gente pede que as pessoas não façam aglomerações, principalmente as desnecessárias, como festas, encontros em sítios, por favor, esse não é momento disso — solicitou.

Segundo ele, a abertura parcial das atividades econômicas é uma medida de preservação do sustento das famílias e da manutenção das empresas, e não significa o fim das medidas de proteção, mas uma necessidade para evitar o colapso financeiro da cidade.

— Gostaria de reforçar a importância do isolamento social para que nossos índices permaneçam numa situação que nos permita o mínimo de flexibilização. (...) Estamos em um momento em que a pandemia vai atingir o platô e precisamos passar por isso sem problemas — complementou.

O secretário estadual de saúde, Carlos Eduardo Amaral, em coletiva ontem, confirmou a avaliação de Amarildo. Segundo ele, Minas Gerais encontra-se na fase de platô, período que pode durar até meados de agosto.

— O acompanhamento realizado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) mostra que, embora haja uma aglomeração de óbitos desde o dia 2 de julho, não há uma tendência nítida de aumento. De acordo com as projeções, há uma indicação de horizontalização, que caracteriza o chamado platô — afirmou.

Não há, porém, expectativa de queda na curva, mas os números da covid-19 devem se estabilizar.

— É muito provável que ainda estejamos no platô. Mas, possivelmente, não teremos um aumento muito significativo de óbitos diários em relação ao que temos hoje — comentou.

Mudanças

O Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus divulgou, na noite de terça-feira, mudanças na flexibilização. A partir de hoje, o comércio varejista poderá funcionar das 9h30 às 18h30, de segunda a sexta-feira. Os shoppings de atacados de 8h a 16h, de segunda a sábado. Já o shopping center entre 12h e 22h, de terça a domingo. A decisão atendeu à reivindicação do presidente Gilson Amaral, do Sincomércio, que representa cerca de 16 mil comerciários e 4 mil estabelecimentos.

Outra mudança é em relação ao setor alimentício. Os estabelecimentos estão autorizados a voltar com o self-service de produtos específicos, como as padarias, que poderão oferecer o serviço, desde que forneçam luvas individuais para seus clientes. Os restaurantes poderão reabrir à noite. O comitê definiu o horário das 7h às 18h para lanchonetes e restaurantes diurnos e entre 18h e 23h para restaurantes e lanchonetes noturnos.

30ª semana  

Como todos os dias, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) divulgou ontem o quadro dos pacientes internados com sintomas clínicos de covid-19, nas redes hospitalares do município. 

O gráfico de análises mostra a 30ª semana epidemiológica, em que Divinópolis marcou 59 novos casos positivos de covid-19, 855 notificações e quatro mortes. O total de casos, segundo o boletim de ontem, é de 615 pessoas infectadas e 5.729 suspeitos.

 De acordo com dados dos hospitais da cidade e da UPA Padre Roberto, na 30ª semana epidemiológica, a média de pacientes suspeitos de coronavírus, nos hospitais é de 65.7, enquanto a média de pacientes não suspeitos de covid internados nas UTIs é de 44.6.

 Desde o dia 22 de abril, a taxa de ocupação hospitalar vem sendo monitorada pelo serviço de Vigilância em Saúde,  também para diversas doenças.

Leitos 

Atualmente, Divinópolis conta com 84 leitos de UTI específicos para atendimento a pacientes suspeitos de covid-19 e 135 leitos de enfermaria, sendo 79 na saúde suplementar e 56 no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Conforme o secretário de Saúde, Amarildo Sousa, a situação das internações está sendo monitorada diariamente.

 — As internações não são apenas de residentes da cidade, mas para toda a região, desta forma, esse cuidado é essencial para evitar o colapso do sistema de saúde de Divinópolis — pede o secretário.

Comentários
×