Das coisas que nunca se diz

Não sinto raiva da rotina; mas sinto saudade das surpresas. Do bilhete no para-brisa, da visita inesperada, do elogio sem ensaio ou da velha frase dita de um jeito novo. Não sinto por trabalhar o dia todo; mas sinto falta de alguém perguntar como foi o meu dia. Sinto falta de colo, por mais crescida que eu esteja. E de alguém que me enxergue além da fortaleza que pareço ser. Não me incomoda ver no meu rosto que o tempo passou; mas me incomoda, e muito, ver as pessoas escondendo o tempo de si mesmas. Crentes de que um creme anti-idade vai esconder o passado e a vida que viveram.

Não creio mais em contos de fadas, mas creio nas fadas que se apresentam na minha vida das formas mais incríveis e inesperadas. Não morro por não ter realizado todos os meus sonhos, sonhei tanto que deixei reservas, mas morro aos poucos quando tenho de abrir mão daqueles sonhos que escolhi realizar. Já não me importa mais se você não ouve o que eu falo, mas me importa muito quando não me deixam falar. Não me incomoda mais a música do vizinho, mas me incomoda muito o silêncio de quem vive comigo. Quero falas, quero risos, quero participação efetiva e não uma lista de presença. Não quero voltar a ser criança, mas me recuso a matar a criança que ainda resta em mim. Aquela que gosta de brigadeiro, que compra meias coloridas e que lê gibis na sala de espera lotada de gente grande.

São coisas que nunca dizemos, que nunca revelamos para não causar mais problemas do que já temos. Um dia calamos, seja por negligência ou por acomodação. No outro calamos por precaução. E quando nos damos conta, não sabemos mais como falar. Então, guardamos tudo na última gaveta de nós mesmos. Aquela onde ficamos sozinhos, completamente nus e à deriva de nossas fraquezas. É aí que somos de verdade quem somos. Onde não existe filtro que mascare nossas verdades.

Um dia a gente cria coragem e abre essa gaveta. E eis que lá estão eles. Nossos medos, nossas opiniões mais escusas, nossas angústias escondidas e nossos sonhos engavetados. Então, nos vemos assim, tão simplesmente como somos. Sem mais nem menos, sem antes nem depois. Apenas nós e tudo aquilo que sentimos; de bom, de ruim, de grande, de pequeno, de lucidez, de loucura. Por que será que é tão difícil ser quem somos? Por que será que precisamos ser “tantos”,  para esconder o “um” que realmente somos? Era para ser tudo tão simples! Pena termos optado por complicar.

leila.rodrigues@totvs.com.br

Comentários
×